Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Leiliane mostrou como falta empatia no mundo

Leiliane mostrou como falta empatia no mundo

07/03/2019 Leonardo Torres

Recentemente, presenciamos a tragédia que envolveu o jornalista Ricardo Boechat.

Uma das maiores polêmicas envolvidas nesse fato foi a prontidão de uma mulher, Leiliane, tentando socorrer o caminhoneiro acidentado enquanto dois homens a filmavam sem pensar em ajudá-la.

Muitos tem associado o fato a uma masculinidade errante, passiva, até apagada e enaltecido o ato da mulher, que, sem dúvidas, foi heroico, sendo chamada até de Mulher Maravilha.

Que é necessário rever o papel do homem e o conceito de masculinidade na sociedade, é de extrema urgência e importância. Mas, a meu ver, existe algo ainda no ocorrido que devemos pensar. E que provavelmente tem afetado mais homens do que mulheres.

Estamos vivendo um sério caso de falta de empatia no mundo. A cada dia queremos mais distância dos outros, menos nos preocupamos com o próximo e menos consideramos o outro como igual. E para piorar, mergulhamos na internet, nas redes sociais, em qualquer espaço virtual, para suprir a necessidade de socializar.

Talvez, os aparelhos eletrônicos sejam responsáveis por essa falta de empatia. O espetáculo e o entretenimento tornaram-se mais importantes do que qualquer vida.

Estar em um acidente e pensar primeiramente em registrar o fato, ao invés de ajudar o próximo, é a prova cabal de que a empatia não tem sido presente em nossas vidas. Já Leiliane foi na contramão desse movimento apático. Ela é um exemplo de empatia para a humanidade.

Frans de Waal, pesquisador do fenômeno empatia, afirma que ela é uma característica que garante a sobrevivência de uma espécie. Sem ela, a extinção da espécie é mais fácil de acontecer. E que essa característica provavelmente nasceu no vínculo entre mãe e filho.

Portanto, as mulheres são mais empáticas. Juntando essa característica com uma masculinidade errante, não é de se espantar o ocorrido.

A empatia é mais do que se colocar no lugar do outro, pois muitos se colocam no lugar do outro, porém, julgando-os a partir de si mesmos, de seus próprios pontos de vista. Isso não é empatia, mas simpatia.

Já empatia é, por um momento, ser o outro. Viver, pensar, sentir as emoções do outro a partir dele mesmo. Isso garante um grau de alteridade e reciprocidade, que se fosse recorrente no mundo atual, não haveria sequer pobreza e, também, nem tanta concentração de riquezas.

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando de Comunicação e Cultura Midiática.

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



O bom senso na vida profissional

Aprender é um processo que nunca deveria se esgotar para nenhuma pessoa.


Lava Jato – Quem é o pai da criança?

Desde o início da operação Lava Jato, a população ficou estupefata com as revelações do emaranhado esquema de corrupção que assolava o país.


Engenharia e inovação, por que o setor está estagnado?

Uma reflexão que merece ser realizada é sobre quais os motivos que levam o setor de Engenharia e Construção a ser tão conservador.


Dicas para entregar seu projeto com melhor qualidade em menor tempo

Há uma infinidade de fatores que influenciam no sucesso (ou não) de um projeto.


Viver não custa…

Meses depois de ter casado, na Igreja, fui viver para andar de prédio, que ficava nos subúrbios da minha cidade.


Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.