Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Leiliane mostrou como falta empatia no mundo

Leiliane mostrou como falta empatia no mundo

07/03/2019 Leonardo Torres

Recentemente, presenciamos a tragédia que envolveu o jornalista Ricardo Boechat.

Uma das maiores polêmicas envolvidas nesse fato foi a prontidão de uma mulher, Leiliane, tentando socorrer o caminhoneiro acidentado enquanto dois homens a filmavam sem pensar em ajudá-la.

Muitos tem associado o fato a uma masculinidade errante, passiva, até apagada e enaltecido o ato da mulher, que, sem dúvidas, foi heroico, sendo chamada até de Mulher Maravilha.

Que é necessário rever o papel do homem e o conceito de masculinidade na sociedade, é de extrema urgência e importância. Mas, a meu ver, existe algo ainda no ocorrido que devemos pensar. E que provavelmente tem afetado mais homens do que mulheres.

Estamos vivendo um sério caso de falta de empatia no mundo. A cada dia queremos mais distância dos outros, menos nos preocupamos com o próximo e menos consideramos o outro como igual. E para piorar, mergulhamos na internet, nas redes sociais, em qualquer espaço virtual, para suprir a necessidade de socializar.

Talvez, os aparelhos eletrônicos sejam responsáveis por essa falta de empatia. O espetáculo e o entretenimento tornaram-se mais importantes do que qualquer vida.

Estar em um acidente e pensar primeiramente em registrar o fato, ao invés de ajudar o próximo, é a prova cabal de que a empatia não tem sido presente em nossas vidas. Já Leiliane foi na contramão desse movimento apático. Ela é um exemplo de empatia para a humanidade.

Frans de Waal, pesquisador do fenômeno empatia, afirma que ela é uma característica que garante a sobrevivência de uma espécie. Sem ela, a extinção da espécie é mais fácil de acontecer. E que essa característica provavelmente nasceu no vínculo entre mãe e filho.

Portanto, as mulheres são mais empáticas. Juntando essa característica com uma masculinidade errante, não é de se espantar o ocorrido.

A empatia é mais do que se colocar no lugar do outro, pois muitos se colocam no lugar do outro, porém, julgando-os a partir de si mesmos, de seus próprios pontos de vista. Isso não é empatia, mas simpatia.

Já empatia é, por um momento, ser o outro. Viver, pensar, sentir as emoções do outro a partir dele mesmo. Isso garante um grau de alteridade e reciprocidade, que se fosse recorrente no mundo atual, não haveria sequer pobreza e, também, nem tanta concentração de riquezas.

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando de Comunicação e Cultura Midiática.

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.