Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Let´s talk about Rio

Let´s talk about Rio

15/09/2017 Julio Gavinho

Somos todos, locais e gringos, vítimas da mesma miséria.

Michael Joseph Jackson foi um famoso cantor, compositor, dançarino, produtor, empresário e filantropo norte americano. Segundo a revista Rolling Stone faturou em vida cerca de sete bilhões de dólares fazendo dele o artista mais rico de toda a história.

Esteve no Brasil por três vezes, sendo a mais notória para gravar o clipe de “They don´t care about us” na favela Dona Marta, no morro de Santa Marta. Até ergueram uma estátua do popstar no mesmo lugar do clipe, uma no após sua morte.

A obra, produzida pelo artista plástico Estevan Biandani, retrata o cantor com o mesmo visual deste clipe, olhando pela favela. A laje também ganhou um mosaico do cantor feito pelo Romero Britto. O espaço que antes já era chamado de "Laje Michael Jackson" recebeu o nome do cantor oficialmente.

Esta semana, uma foto da estátua do cantor com um fuzil AR15 pendurado no pescoço, circulou pela internet e logo viralizou mundo afora. Atribui-se a traquinagem a quadrilha do bandido “mãozinha”, supostamente caçado pela polícia do Rio.

Interessante que este morro e seus bandidos estão sempre aí, na mídia com seus feitos “heroicos”, como já retratou o Caco Barcelos no seu fabuloso livro “Abusado”, nunca tão atual quanto hoje. Agora, o tráfico recrutou o pobre Michael, post mortem.

Ok, vamos cut the crap, como dizem os sumidos (ou fugidos) turistas norte americanos. Rio é o cartão de visitas do Brasil turístico. O que acontece no sovaco do Cristo repercute como uma caixa de ressonância em todo o Brasil, no que tange publicidade.

O que acontece com a sofrida população carioca repete-se no que acontece com turistas, em todas as circunstancias possíveis. Somos todos, locais e gringos, vítimas da mesma miséria. “Miséria é miséria em qualquer parte”, nos ensina o Paulo Miklos.

Chega de pombas brancas, chega de passeata, chega de político acusado ou condenado por corrupção lambendo a miséria deste povo. O carioca não tem mais a quem recorrer, senão aos espectros do MP que ainda mantém uma pouca dignidade no trato com a coisa pública.

Não podem meus conterrâneos, contar com a polícia que está entregue as baratas e que foi tratada com raiva pelos governos de esquerda. Quer confirmar minha tese? Visite o caustico hospital da PM para onde vão policiais e familiares em caso de perfuração à bala ou de resfriado nos filhos.

Não iria tão longe a ponto de dizer que este abandono empurrou a massa grossa da PM do Rio à criminalidade, mas vá: “pau que dá em Chico dá em Francisco”. Se a miséria empurra o jovem favelado para a criminalidade, porque não o servidor de 19, 20, 21 anos, com uma arma na cintura? Estamos na hora da verdade.

Como no título e na violência sociológica do filme "Precisamos falar sobre Kevin" de 2011, aonde uma mãe (turismologa!) enfrenta o inferno de viver na comunidade aonde seu filho atirou e matou colegas e professores da escola, precisamos falar sobre o Rio de Janeiro. Chega de romantismo idiota para reerguer o lugar mais belo do mundo.

Olhemos o Rio como ele é: chega de esconder a maldade e vilipêndio de seu povo embaixo do tapete de uma cansada beleza que já não encanta nem audiência de novela. Só a intervenção federal ampla oferece o horizonte plausível.

Na minha época de Rio Convention & Visitors Bureau, entre 93 e 97, rodávamos o mundo promovendo o Rio e suas belezas, mas já sabíamos que a natureza não encheria a barriga de um setor produtivo inteiro.

Por isso criamos o conceito de capital tropical da cultura com música, arquitetura, história e gastronomia para fortalecer um destino completo e não um balneário. Depois, junto com a EMBRATUR (saudades do Caio Carvalho), demos outra volta no mundo com o programa "My Rio" aonde mostrávamos uma cidade de todos os sotaques, todas as vontades e diversa social e culturalmente.

Fomos um grupo pequeno, quase quixotesco, capitaneado por grandes empresários como o João Nagy e Chico Havas, e apoiados pela VARIG e pelas embaixadas do Brasil na yellow brick road do mundo.

Se eu fosse sair em road show de novo, para vender o Rio junto aos grandes operadores e organizadores de eventos internacionais, não saberia o que dizer. Ficaria mudo, tal qual aquela dona Eva do filme. “Let´s talk about Kevin”? Não: Let´s talk about Rio.

* Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel, sócio e Diretor da MTD Hospitality.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.