Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Liberalismo Econômico em crise

Liberalismo Econômico em crise

27/03/2009 Divulgação

A crise do Liberalismo Econômico que eclodiu, no século XIX, na maioria dos países Europeus, não se limitou a debates parlamentares e discussões teóricas, mas ocasionou grave convulsão social, a que não faltaram violentos confrontos entre patrões e trabalhadores, com quebradeiras, atos de sabotagem e mortes. Como tivemos a oportunidade de mencionar em artigos anteriores, trata-se de fatos evocados por escritores da época, como o inglês Charles  Dickens, o francês Émile Zola e o alemão  Thomas Mann (principalmente em passagens do romance  “Os Budenbrook” e outros. No caso de Émile Zola, a obra “Germinal”, em esmerada versão cinematográfica, alcançou grande sucesso junto ao público, apesar de descrever cenas muito fortes, de enorme impacto emocional. Não pode também deixar de ser mencionado o filme “1900”, de Bernardo Bertolucci, que mostra o ocorrido na Itália, naquele período.

Esses fatos aconteciam porque, enquanto a Civilização Industrial, no seu inicio, criava, riqueza e prosperidade para alguns, condenava à pobreza um grande número de trabalhadores, reduzidos a condições precárias de vida. Sem direito a jornada fixa de trabalho, repouso remunerado e assistência médica, mesmo quando adoeciam sob o - peso do trabalho duro, enfim, privados de direitos mínimos, os trabalhadores eram transformados praticamente em bens de produção, sob a égide da tristemente  famosa “lei de bronze” segundo a qual o salário deveria ser estritamente suficiente para mantê-los vivos. Essa situação social calamitosa inspirou criticas radicais ao Liberalismo Econômico, feitas por  pensadores como Proudhon e Karl Marx. Do mesmo modo, a Igreja  Católica, até então indiferente à questão social, veio a público, na voz  do Papa  leão XIII, que, por meio da Encíclica “Rerum Novarum” defendeu, pela primeira vez, os direitos dos trabalhadores, concitando os patrões a lhes pagarem salários compatíveis  com a sua  dignidade. Benefícios como previdência, assistência médica e moradia passaram a ser dispensados a eles.

Condições insalubres de trabalho e emprego de menores em atividades árduas como a mineração foram proibidos. Essas conquistas, hoje consideradas incontestáveis, significavam, naquela época, avanço considerável. Conseguiram aplacar  o ímpeto revolucionário entre os trabalhadores europeus, abrindo caminho, naquele Continente, para o surgimento do Estado Social ou intervencionista, que sobrevive, até hoje, nas Democracias Sociais européias. Na Rússia dos czares, o comportamento dos detentores do poder não mudou, o que levou à radicalização dos conflitos, culminando, em 1917, com uma revolução violenta, que se espalhou por diversos países. Começaram a ser estabelecidas, na época, repúblicas socialistas que, mais tarde, sucumbiram as suas próprias e insuperáveis contradições.

Previsíveis, pelo seu anacronismo e caráter antidemocrático, a derrubada do “muro de Berlim e a derrocada da União Soviética levaram de roldão os demais países do Leste Europeu. Era uma estrutura tão, minada, pela própria cegueira dos seus dirigentes que desabou sozinha, sem que um único tiro precisasse  ser disparado. Sucumbiu ante o olhar atônito e incrédulo de milhões de pessoas que no mundo inteiro, acompanhavam o dramático espetáculo final.



Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?