Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lugar de mulher não é onde ela quiser – o novo framing

Lugar de mulher não é onde ela quiser – o novo framing

16/12/2021 Maria Inês Vasconcelos

Raízes antropológicas, culturais e preconceito. A mulher está cada vez mais afastada desse lugar sacralizado pelo mantra hipócrita.

Lugar de mulher brasileira nunca foi e nunca será onde ela quiser, se esse lugar não for um lugar de construção.

Quando eu digo que temos que construir uma posição consolidada e de exercício da cidadania, é porque temos que entregar uma dose elevada de esforços neste sentido.

Impressionavelmente não posso questionar que a anatomia da nossa ascensão, é mais marcada do que nos tempos de minha avó. Ela não pode se divorciar e nem votou até completar 38 anos.

Vivemos tempos em que estudamos, somos eleitores, podemos romper um casamento sem grandes traumas, trabalhamos e temos igualdade constitucional em vários aspectos com o gênero oposto. Podemos ser juízas, deputadas, prefeitas, cirurgiãs de cabeça, coração e pescoço.

Nossa posição de luta é de busca constante por acessos. Para aceder na política, na carreira e em posições tradicionalmente ocupadas pelo homem, temos que estar em constante elaboração.

Chamo de elaborar o processo de modelar comportamentos e atitudes que incluem a construção de blindagens ao ostracismo e ataques consumados do sexo oposto.

É uma posição de resistência. Para avançar temos que atravessar uma faixa, desmilitarizar locais onde se trava a batalha dos sexos. Fugir das granadas.

A postura sexista que tende nos colocar no último lugar da prateleira é ácida. Mas aos poucos avançamos. Quem mais divulga, trabalha e busca dar publicidade e efetividade ao sistema de proteção em torno da mulher é ela mesma. É dela que emana é a própria mulher.

Há aqui uma inversão paradoxal que comprova a distância entre a lei e a força da lei. Não há dúvida que fora das campanhas políticas bem-intencionadas, cheias do desejo de lobotomizar as eleitoras inocentes, esse assunto faz parte da agenda.

Inclusão da mulher. Igualdade. Liberdades. Mas fica só aí. O combate à discriminação em face da mulher, que deveria ser assunto de homem vai sendo dominado pela própria mulher: sempre vítima da segregação.

Não os interessa avançar neste campo. A não ser quando o fetiche da paridade de oportunidades interessa ao homem. Aí viram o slogan. Fora disso, costumamos ser um tipo de incômodo.

E, por isso, de forma travestida, a mulher política, ainda sofre na pele o preconceito, muito evidenciado pelo machismo que corre solto nas duas câmaras do Congresso Nacional.

Claro, há vencedoras. Conheço mulheres que são tratores. Elas desmancharam com energia o machismo e o fizeram com doçura.

Assim, o lugar de mulher, para chegar onde quiser é com muito esforço. É uma batalha que integra não só capacidade intelectual, emocional, como também uma habilidade para lidar com o bicho homem. Inclui cálculo, geometria e psicologia.

Há técnicas e mais técnicas que vão desde a expressão de sentimentos verdadeiros, (de que não desejamos tomar lugar de ninguém); até mesmo habilidade em construir pontes e alianças.

Quando o homem percebe a integridade da mulher, a legitimidade de sua busca, a justiça de seus quereres, e que a questão no fundo, não é tomar lugar de ninguém, apenas acessar oportunidades, costumam nos dar as mãos.

Saímos assim da ilusão perceptual do mantra! Ignorância assumida. Mudança de framing. A mulher vai à luta.

Preconceitos e determinantes antropológicas à parte, as mulheres vivem nesse dispêndio de energia para contratar com o homem. Quando conseguimos são companheiros de salto.

Por sermos minoria em vários campos da vida, inclusive na vida política é que nossos esforços de representação são dobrados.

Vejo uma grande oportunidade para o homem, se fosse macho, em que as causas da mulher estariam no meu caderno de prioridade.

Legislar é algo que no Brasil é indicativo de produtividade parlamentar. Por isso fica aí a dica: legislem temas ou endossem aquilo que trate da mulher. Vamos precisar de vocês para chegarmos onde quisermos.

E neste lugar, seguramente, vocês terão lugar garantido. Nós lhes demos vida, filhos e somos companheiras de um destino marcado por mãos sempre dadas.

Não queremos o lugar de vocês, queremos, estar ao lado. E quem sabe de mãos dadas, nesse palco maluco e de desproteção em que vive a mulher brasileira, vocês nos deixem subir na prateleira!

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre mulher clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.