Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lugar de mulher não é onde ela quiser – o novo framing

Lugar de mulher não é onde ela quiser – o novo framing

16/12/2021 Maria Inês Vasconcelos

Raízes antropológicas, culturais e preconceito. A mulher está cada vez mais afastada desse lugar sacralizado pelo mantra hipócrita.

Lugar de mulher brasileira nunca foi e nunca será onde ela quiser, se esse lugar não for um lugar de construção.

Quando eu digo que temos que construir uma posição consolidada e de exercício da cidadania, é porque temos que entregar uma dose elevada de esforços neste sentido.

Impressionavelmente não posso questionar que a anatomia da nossa ascensão, é mais marcada do que nos tempos de minha avó. Ela não pode se divorciar e nem votou até completar 38 anos.

Vivemos tempos em que estudamos, somos eleitores, podemos romper um casamento sem grandes traumas, trabalhamos e temos igualdade constitucional em vários aspectos com o gênero oposto. Podemos ser juízas, deputadas, prefeitas, cirurgiãs de cabeça, coração e pescoço.

Nossa posição de luta é de busca constante por acessos. Para aceder na política, na carreira e em posições tradicionalmente ocupadas pelo homem, temos que estar em constante elaboração.

Chamo de elaborar o processo de modelar comportamentos e atitudes que incluem a construção de blindagens ao ostracismo e ataques consumados do sexo oposto.

É uma posição de resistência. Para avançar temos que atravessar uma faixa, desmilitarizar locais onde se trava a batalha dos sexos. Fugir das granadas.

A postura sexista que tende nos colocar no último lugar da prateleira é ácida. Mas aos poucos avançamos. Quem mais divulga, trabalha e busca dar publicidade e efetividade ao sistema de proteção em torno da mulher é ela mesma. É dela que emana é a própria mulher.

Há aqui uma inversão paradoxal que comprova a distância entre a lei e a força da lei. Não há dúvida que fora das campanhas políticas bem-intencionadas, cheias do desejo de lobotomizar as eleitoras inocentes, esse assunto faz parte da agenda.

Inclusão da mulher. Igualdade. Liberdades. Mas fica só aí. O combate à discriminação em face da mulher, que deveria ser assunto de homem vai sendo dominado pela própria mulher: sempre vítima da segregação.

Não os interessa avançar neste campo. A não ser quando o fetiche da paridade de oportunidades interessa ao homem. Aí viram o slogan. Fora disso, costumamos ser um tipo de incômodo.

E, por isso, de forma travestida, a mulher política, ainda sofre na pele o preconceito, muito evidenciado pelo machismo que corre solto nas duas câmaras do Congresso Nacional.

Claro, há vencedoras. Conheço mulheres que são tratores. Elas desmancharam com energia o machismo e o fizeram com doçura.

Assim, o lugar de mulher, para chegar onde quiser é com muito esforço. É uma batalha que integra não só capacidade intelectual, emocional, como também uma habilidade para lidar com o bicho homem. Inclui cálculo, geometria e psicologia.

Há técnicas e mais técnicas que vão desde a expressão de sentimentos verdadeiros, (de que não desejamos tomar lugar de ninguém); até mesmo habilidade em construir pontes e alianças.

Quando o homem percebe a integridade da mulher, a legitimidade de sua busca, a justiça de seus quereres, e que a questão no fundo, não é tomar lugar de ninguém, apenas acessar oportunidades, costumam nos dar as mãos.

Saímos assim da ilusão perceptual do mantra! Ignorância assumida. Mudança de framing. A mulher vai à luta.

Preconceitos e determinantes antropológicas à parte, as mulheres vivem nesse dispêndio de energia para contratar com o homem. Quando conseguimos são companheiros de salto.

Por sermos minoria em vários campos da vida, inclusive na vida política é que nossos esforços de representação são dobrados.

Vejo uma grande oportunidade para o homem, se fosse macho, em que as causas da mulher estariam no meu caderno de prioridade.

Legislar é algo que no Brasil é indicativo de produtividade parlamentar. Por isso fica aí a dica: legislem temas ou endossem aquilo que trate da mulher. Vamos precisar de vocês para chegarmos onde quisermos.

E neste lugar, seguramente, vocês terão lugar garantido. Nós lhes demos vida, filhos e somos companheiras de um destino marcado por mãos sempre dadas.

Não queremos o lugar de vocês, queremos, estar ao lado. E quem sabe de mãos dadas, nesse palco maluco e de desproteção em que vive a mulher brasileira, vocês nos deixem subir na prateleira!

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre mulher clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.