Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mais Médicos: fraudes e menos atendimentos

Mais Médicos: fraudes e menos atendimentos

17/03/2017 Sandra Franco

No Brasil, o tempo é fator aliado daquele que deseja errar sem ser punido.

Vendido pelo Governo Federal como a solução para o atendimento básico de saúde nas cidades brasileiras, o Programa Mais Médicos está entre os projetos que não saem dos holofotes da polêmica.

Levantamento do Ministério da Transparência revelou que muitas prefeituras brasileiras aproveitaram as contratações do programa para demitir outros médicos que já trabalhavam para o município. Além de ser ilegal, essa manobra demonstra que o planejamento e a ideia inicial do programa “foi um tiro pela culatra”.

Vale lembrar aqui que, quando do lançamento do programa, instituições como CFM, AMB apontavam para esse possível deslinde. Assistia razão a elas! De acordo com o estudo, antes do programa, a atenção básica brasileira contava com 47 mil médicos.

De 2012 a 2015, 18 mil médicos do programa foram contratados para ampliar o atendimento no país. Mas no fim da investigação, apenas 54.525 médicos trabalhavam na atenção básica. Dez mil médicos a menos. Na Bahia foi onde essa prática mais ocorreu. As prefeituras tinham 3.400 médicos. Elas receberam 1.600 profissionais do programa, mas nem quatro mil estavam atendendo. Mil a menos do que o esperado.

O levantamento constatou que mais da metade dos médicos do programa substituíram outros e não reforçaram o atendimento à população, como se desejava. O escopo do projeto, conforme definição do governo, era o de melhorar e dar mais efetividade ao atendimento da população.

Talvez tenha faltado preparar melhor os gestores, os quais acabaram por demonstrar, em mais uma oportunidade que não estão preocupados com a população e uma efetiva aplicação dos recursos em uma das áreas mais críticas e fundamentais em qualquer sociedade.

As regras impostas inicialmente pelo Ministério da Saúde para o Mais Médicos se demonstraram fáceis de burlar porque não existe uma fiscalização efetiva de como está sendo realizado o trabalho, como está sendo investido o dinheiro. Não é pouco dizer que mesmo a sociedade civil organizada em órgão como o COMUS (Conselho Municipal de Saúde) ou outras organizações existentes não tem subsídios o suficiente para cobrar maior resolutividade.

A quem se deve recorrer? Ministério Público? Qual o tempo a transcorrer entre a instauração de um Inquérito Civil e as medidas reformativas e/ou punitivas? Neste caso específico, a regra é clara: o município que recebe profissionais do Mais Médicos não pode substituir os médicos da equipe e é obrigado a manter - durante a execução do projeto - os médicos não participantes do programa.

Porém, no Brasil vale a máxima de que “toda regra está aí para ser descumprida”, se assim for conveniente. Segundo o Ministério da Transparência, a União repassou à OPAS - encarregada do pagamento dos médicos cubanos – R$ 4 bilhões. A investigação concluiu que a prestação de contas é incompleta.

Até agora o Ministério da Saúde não apresentou comprovantes para justificar repasses de R$ 316 milhões. O Ministério da Saúde informou que já notificou as prefeituras que não estavam cumprindo as exigências do programa e bloqueou as vagas. Mas e o dinheiro que já foi repassado? E os profissionais que foram demitidos? No Brasil, o tempo é fator aliado daquele que deseja errar sem ser punido.

* Sandra Franco é consultora jurídica especializada em Direito Médico e da Saúde.



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.