Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mais trabalho, menos filho

Mais trabalho, menos filho

22/09/2018 Astrid Vieira

Nós mulheres acendemos no mercado e temos ocupado cargos que antigamente não eram dados a nós.

Apesar da conquista, há uma série de medidas e exigências das grandes corporações para que possamos ocupar essas vagas destaque. Uma delas é o adiamento da gravidez. Amas empresas, que por sinal mantém um alto quadro de funcionários, têm exigido que a prevenção para não engravidar no mínimo ao longo dos dois primeiros anos.

Essa norma faz parte do contrato de trabalho – o mesmo que determina as funções, salário e demais obrigações e necessidades das quais as funcionárias devem cumprir. Esse é um método bastante comum para empregos nos quais o trabalho apresenta resultados a longo prazo e a interrupção para uma licença maternidade pode prejudicar o desempenho.

Vejo principalmente essa metódica em vagas de diretoria, gerência de marketing ou comunicação, superintendência, supervisão, engenharia e serviços de inteligência são alguns dos exemplos. É bom lembrar que a licença maternidade num período de 180 dias é obrigatória perante a Lei 11.770, aprovada em março de 2018. Antes disso eram apenas 120 dias.

Para as empresas, a ausência da mulher nesse período não é lucrativa. É claro que esse benefício é justo, até porque um bebê precisa da mãe nos primeiros meses de vida por uma questão de saúde. Porém, abrir mão de uma funcionária de alto rendimento significará uma contratação temporária e o empresário terá um gasto complementar muitas vezes não satisfatórios.

Apesar de que é proibido pedir algum exame para comprovação de esterilidade ou gravidez na admissão, solicitar uma pausa de gravidezes para se manter no cargo não é uma violação a lei trabalhista nenhuma.

E ao falar em direitos, as gestantes têm muitos: gravidez não é motivo para demissão; a licença maternidade pode começar a partir de 28 dias antes do parto; a garantia de emprego após o nascimento é de cinco meses; se comprovar que estava grávida quando foi demitida, tem direito à reintegração ao emprego ou à indenização equivalente ao período de gravidez mais a licença; no caso de aborto, há um repouso remunerado de duas semanas; grávidas tem direito a dispensa em dias de consultas médicas e após o nascimento é permitido pausas para amamentação.

Independente do posicionamento das empresas e mesmo apesar de tantos direitos que asseguram a gravidez, cresceu o número de mulheres que não querem ter filhos. Segundo dados do IBGE, cerca de 40% das trabalhadoras não são mães. Além disso, o índice das brasileiras que não têm a intenção de engravidar foi de 14% em 2017.

Dez anos antes, em 2007, esse percentual era de apenas 10%. E esses dados não são nada na comparação do Brasil com os Estados Unidos. Na América do Norte, 47% da população feminina já desistiu do sonho da maternidade. Há mulheres e mulheres, é claro. Mas vejo que o espaço ocupado por elas no lar está ficando mais vago e, por outro lado, não há tantos homens procurando ocupa-los.

Agora, o motivo dessa transformação ainda não é claro. Pode ser que seja o sonho corporativo, ou apenas o orçamento incompatível do casal e quem sabe apenas a falta de familiaridade com as crianças. A única verdade é que as mulheres têm colocado cada vez mais seus olhos em prioridades que não dizem respeito a família.

* Astrid Vieira é Consultora de Carreiras e Diretora da Leaders-HR Consultants BR.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing 



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.