Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Managed Private Cloud Computing já é realidade

Managed Private Cloud Computing já é realidade

19/08/2011 Antônio Phelipe

Cloud computing é um assunto que vem sendo tratado nos últimos anos e já em 2008 o Gartner sinalizou ser esse modelo de computação uma das mais importantes tendências emergentes.

Depois de experiências bem-sucedidas em nuvens públicas, agora é a vez da consolidação do modelo de Managed Private Cloud Computing. As ofertas já são muitas no mercado e os players buscam diferenciação.

Além de serviços como desktop virtual, e-mail e colaboração, uma inovação promissora é a solução de IaaS (Infrastructure as a Service) que entrega servidores virtualizados com capacidade computacional redimensionável na nuvem sob demanda. 

Tudo gerenciado. Nesse novo modelo de entrega de serviços de TI, por exemplo, é possível utilizar recursos de processamento e armazenamento através do processo de virtualização, pagando mensalmente pelo uso.

Os diferenciais de uma solução em Cloud Computing não gerenciada e uma com gerenciamento é que nesta última o serviço é composto de um pacote inteligente de infraestrutura que apresenta, entre outros benefícios: administração, atualizações de segurança, configurações de sistemas operacionais, backups, atendimento e suporte 24x7x365, balanceamento dos recursos e gestão de incidentes, problemas e mudanças – o que garante alto nível de disponibilidade e cumprimento dos SLAs  (Service Level Agreements) definidos. O gerenciamento centralizado permite que o cliente tenha custos reduzidos para administração, suporte, atualizações e assistência. Outra vantagem competitiva é a segurança.   Toda a arquitetura tecnológica pode ser desenvolvida com total isolamento, garantindo a integridade de dados e informações. Essa arquitetura é projetada para atender a criticidade do negócio e os requisitos de compliance. E mais: a solução em Managed Private Cloud Computing, quando agregada a outros serviços gerenciados, como desktops virtuais, soluções de e-mail e SaaS (Software as a Service), permite ganhos em tempo, escalabilidade, elasticidade e simplicidade. Vale lembrar que, no Brasil, os usuários de cloud ainda utilizam a tecnologia para serviços temporários e não de missão crítica.    O desafio agora é elevar esse nível de serviço até o core business das empresas, que podem ter ambientes computacionais totalmente confiáveis, disponíveis e cobertos por uma ampla gama de serviços. Além disso, optando por essa solução, as empresas convertem os custos capitais em operacionais, reduzindo assim o custo total da propriedade.   * Antônio Phelipe, CTO da Ativas.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.