Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Marcas do empreendedor

Marcas do empreendedor

23/01/2019 José Pio Martins

O que é empreendedorismo? Quais são as marcas do empreendedor?

Nas conversas com jovens, duas perguntas são recorrentes: O que é empreendedorismo? Quais são as marcas do empreendedor? Quanto à primeira, empreendedorismo é a disposição e a iniciativa de idealizar, coordenar e executar projetos e negócios. Outra definição, que me agrada, diz que é a sensibilidade para descobrir oportunidades, ter ideias e ser capaz de transformá-las em um negócio. Em síntese, empreendedor é quem transforma uma ideia em um negócio e dá materialidade aos sonhos.

Em relação à segunda pergunta, há vasto elenco de características que definem o empreendedor, das quais destaco quatro, que considero as mais importantes.

A primeira é a enorme capacidade de agir e de fazer. Os empreendedores se caracterizam por uma espécie de “empuxo” (força que empurra, que atua como elemento de impulsão), como se tivessem, em sua constituição genética, células que os levam a agir e fazer algo, mesmo em condições adversas. Nas histórias de empresários de sucesso, é comum encontrarmos relatos de pessoas que idealizaram e executaram algo quando muitos não acreditavam na possibilidade do êxito.

A segunda é a afiada visão para enxergar oportunidades. Há homens que construíram impérios por enxergar oportunidades onde quase ninguém acreditava na chance de sucesso. Um exemplo foi Aristóteles Onassis, o armador grego, que se tornou um dos homens mais ricos do mundo. Enquanto transcorria a Segunda Guerra Mundial, mesmo sem dinheiro, ele se pôs a comprar navios velhos encostados. Amigos diziam que ele estava louco. A guerra acabou, o comércio internacional expandiu e Onassis ficou bilionário alugando caro os navios velhos que comprara.

A terceira característica é a grande sensibilidade para fazer as escolhas certas. Se você perguntar aos grandes empreendedores como, no passado, conseguiram fazer escolhas que agora se mostraram certas e lucrativas, muitos responderão: “não sei, eu tinha intuição, mas não a certeza de que estava fazendo a escolha correta”. Conquanto seja difícil vê-la e qualificá-la, essa sensibilidade está no âmago do empreendedor de sucesso.

Por fim, a eficiência na execução das escolhas feitas é outra marca indelével dos homens de sucesso. Mesmo em situação de crise e descrença – como essa que o Brasil vive atualmente –, aqueles que construíram grandes obras complementaram as três marcas anteriores com eficiência executiva, e foram capazes de levar a cabo seus projetos, suas empresas e seus negócios.

Todos temos alguma dessas quatro características e nem por isso todos somos grandes empreendedores. A questão essencial é que alguém pode ter uma ou duas dessas características, mas elas não bastam para transformá-lo em grande empreendedor. Em geral, os homens que realizaram grandes obras têm as quatro marcas. Se isoladas, elas não nos levam ao sucesso; em seu conjunto, existindo no mesmo homem ou mulher, o sucesso será quase inevitável.

Uma pergunta ressuma de tudo isso: essas características são inatas (que estão no ser, congênitas) ou podem ser aprendidas e desenvolvidas? Eis um bom tema para debate. De minha parte, creio (mas não tenho provas) que essas marcas podem ser treinadas e melhoradas, mas, nos grandes empreendedores, elas estão lá, desde sua concepção. É fácil conhecer as características do homem que empreende. Difícil mesmo é tê-las todas em dose suficiente para fazer do homem um empreendedor de sucesso.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.