Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Maternidade X Carreira: O desafio que vale a pena

Maternidade X Carreira: O desafio que vale a pena

09/05/2019 Maria Inês Vasconcelos

Como diz o ditado judaico: Deus não podia estar em todos os lugares e, por isso, fez as mães.

Conseguir exercer a tripla função de mãe, mulher e dona de casa, e ainda adequar com a carreira, é um malabarismo que nos exige equilíbrio e autoconhecimento. É preciso jogo de cintura para conciliar a agenda profissional e familiar. Mas tudo é questão de foco, determinação e de escolhas diárias.

Contudo, é preciso ter em mente que a maternidade ainda é um grande obstáculo para a carreira das mulheres brasileiras.

Segundo pesquisa divulgada pela empresa de recrutamento Catho, as mães deixam o mercado de trabalho cinco vezes mais que os pais. O levantamento também concluiu que 28% das mulheres deixam o emprego após a chegada dos filhos, versus 5% dos homens, apenas.

Além dos grandes entraves culturais e, infelizmente, muito preconceito, ainda está fortemente intrínseca em nossa sociedade o padrão machista, retrógrado e discriminatório de que o homem é quem sai para trabalhar e que lugar de mulher é em casa, cuidando dos filhos.

Contudo, os tempos mudaram e essa cultura teve que ser formatada, pois a mulher moderna divide com o homem o orçamento familiar e, em razão disso, também precisa trabalhar para pagar contas. Tornamo-nos, igualmente, provedoras. E neste lugar, a mulher enfrenta desafios enormes.

Adotando um tom de informalidade, podemos dizer que as empresas não são muito parceiras das mães. Mesmo que obedeçam ao mínimo legal e cumpram as normas que as protegem, ainda não facilitam e discriminam a mulher.

De acordo com pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), 50% das mulheres são demitidas até dois anos após a licença maternidade, por exemplo.

É evidente que existe uma pressão, ainda que travestida, a desfavor da natalidade e com a posição de que não é lucrativo arcar com os custos da licença maternidade, que exige uma reposição da funcionária, assim como liberá-la de sua jornada regular, que fica encurtada para amamentação.

Agregue-se a isso, o mito de que a mulher possa perder o ritmo, sair da cadência e até se desatualizar quando se torna mãe. Puro preconceito. A maternidade não impede reciclagem e tampouco emburrece, pelo contrário.

Segundo estudos da Royal Holloway, durante a gestação, as mães sofrem um aumento das atividades do lado direito do cérebro, o que significa melhora em suas habilidades cognitivas como criatividade e relacionamento interpessoal.

Felizmente, um novo olhar vem surgindo e há empresas sensíveis à questão da maternidade, apoiando e contribuindo para que as mães possam desempenhar seus papéis com menos sofrimento e angústia, em ambos os ambientes.

Grandes empresas brasileiras, por exemplo, já preferem mantê-las em postos estratégicos, por reconhecerem as responsabilidades e uma garra inenarrável.

E neste novo cenário, as mães estão ocupando posições de destaque no mercado de trabalho, o que revela avanços neste campo. Contudo, ainda que se possa festejar, o exercício concomitante da maternidade e trabalho é desafiador.

Me lembro quando escutei pela primeira vez uma frase, que só muito mais tarde, quando tive minha primeira filha Laura, hoje com 17 anos, me fez sentido: “Quando nasce uma mãe, nasce uma criança e nasce junto, a culpa”.

Realmente uma dualidade massacrante se estabelece dentro de nós: largar tudo, abdicar de nossa carreira e realizações pessoais, ou trabalhar e se sentir eternamente em dívida com os filhos.

Sem querer desmerecer os homens, a razão disso é que amamos demais. É o sublime instinto maternal, que nos mantém permanentemente conectados aos nossos filhos. Algo genético, antropológico e hormonal, além de nossa compreensão.

Só mesmo quem já passou pela experiência de ser mãe, sabe como é duro sair de casa e deixar os filhos, que tanto amamos, para ir trabalhar. Mas com autoconhecimento e até mesmo movidas pela necessidade econômica, a culpa vai sendo atenuada e transformada em algo muito maior. O trabalho agrega sentido à nossa vida e à família.

Neste lugar, em que somos plenas, nossos filhos se tornam nossos próprios parceiros, principalmente se soubermos nos dedicar e mostrar que eles são e sempre serão a melhor parte de nós mesmas. E assim, quando saltamos, eles saltam conosco.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.