Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Medalhas e Migalhas

Medalhas e Migalhas

08/09/2016 Sidney Anversa Victor

No torneio global da economia, o Brasil está distante do pódio, pois é baixíssima a sua capacidade de competir.

A Olimpíada do Rio de Janeiro, considerando as cerimônias de abertura e encerramento, a modernidade das instalações e a organização, encantou e surpreendeu o mundo.

O balanço foi positivo, mas o grande evento vendeu a imagem de um país que não existe. Para clarear essa questão, é oportuno entender por que ganhamos muito menos medalhas do que outros países. As equipes olímpicas de nações como os Estados Unidos, Grã Bretanha, Alemanha, China e Rússia (os dois últimos do BRIC, como nós) contam com apoio permanente, base sólida de treinamento e formação nas universidades.

A maioria de nossos atletas, inclusive alguns medalhistas, têm imensa dificuldade para treinar, manter-se e participar dos jogos, sobressaindo-se graças ao seu talento e muito esforço pessoal. Assim também ocorre com as empresas brasileiras no jogo global da economia.

Suas concorrentes externas contam com o respaldo de políticas industriais bem estruturadas, pagam muito menos impostos, obtêm financiamentos e crédito com facilidade e juros baixos, têm mais acesso à tecnologia desenvolvida nas universidades e amplo apoio em programas de exportação.

Os empresários brasileiros não têm apoio e lutam contra numerosos obstáculos. Como poucos, honram o ideal olímpico de que “o importante é competir”.

Aqui, jogamos sozinhos, enfrentando as adversidades de sistemas tributário e trabalhista arcaicos e onerosos, os juros reais mais altos do mundo, burocracia, dificuldade de acesso ao crédito e insegurança jurídica, além dos prejuízos — materiais e morais — provocados pela corrupção, que nos envergonha no mundo e desencoraja os investimentos produtivos externos.

Infelizmente, o universo político também conspira contra os setores produtivos, pois coloca interesses pessoais e de grupos acima das causas maiores do País. Vejam o que ocorreu até mesmo no processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Michel Temer enfrentou, na interinidade, imensa pressão de parlamentares, num leilão fisiológico dos votos relativos ao afastamento definitivo da presidente. Isso praticamente imobilizou o novo governo em seu início, adiando medidas prementes para a retomada do crescimento econômico.

Nesse ambiente corrosivo para quem produz e trabalha, as empresas são exemplos de superação, imensa capacidade de gestão, conhecimento do negócio e muito trabalho, assim como nossos atletas. Honramos, como poucos, o ideal olímpico de que “o importante é competir” e vez ou outra ganhamos uma medalha.

No entanto, se os grandes problemas estruturais brasileiros não forem solucionados, continuaremos colecionando migalhas na competitiva economia global.

* Sidney Anversa Victor é presidente da Abigraf Regional São Paulo (Associação Brasileira da Indústria Gráfica-SP).



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa