Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mediação nas escolas: uma ferramenta espetacular

Mediação nas escolas: uma ferramenta espetacular

05/09/2018 Lia Marchiori

Nossos filhos são nossos bens maiores.

Preocupamo-nos com eles desde o nascimento até a fase adulta, com expectativa de que se tornem pessoas do bem e desenvolvam suas habilidades da melhor maneira. Para isso contamos com a escola, obviamente, porque a vida escolar da criança começa muito cedo hoje em dia, e segue até a fase adulta.

No contexto escola, quando moramos em uma capital, muitas vezes não temos a opção de propriamente escolher a escola que achamos mais adequada para nosso filho. Às vezes porque é distante de nossa casa, às vezes porque o valor não é acessível, ou até mesmo porque a escola não tem vagas disponíveis.

Mas ainda que seja possível colocar o filho na escola de nossa opção, ao fazermos essa escolha, optamos com esperança de que seja atendido nosso anseio de que ele esteja seguro, sendo adequadamente tratado pela professora, por outros alunos e pela escola como um todo.

Contudo, nem sempre isso reflete a realidade. Existem, de fato, inúmeros conflitos numa escola nas relações existentes entre alunos, pais, professores e direção. Por vezes a criança sofre bullying de colegas, por vezes é nosso próprio filho o autor do bullying.

Ocasionalmente a coordenação da escola se coloca em posições inflexíveis diante da necessidade de nosso filho, e deixa não só a criança, mas pais e mães extremamente estressados.

Há também que se enxergar o outro lado, o lado da escola, na qual o professor tem que ter domínio de 40 crianças em sala ao mesmo tempo. Às vezes nosso filho é um aluno de inclusão: tem dislexia, Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDHA), síndromes das mais diversas ou simplesmente é mal adaptado àquele modelo de ensino. Qual o olhar da escola sobre este filho? Suas necessidades estão sendo atendidas? Não é fácil para os pais, para os alunos e nem para a escola.

Pensando nisso podemos contar que a mediação é uma evolução no que diz respeito a estas dificuldades enfrentadas pelo trinômio pais/filho/escola. Um bom mediador tem condições de pacificar os interesses de todos, de forma a trazer mais consciência para pais, filhos e representantes de escolas, de forma que a relação conflituosa porventura existente seja transformada. Que passe a existir, no lugar do conflito, bom convívio e acolhimento dos interesses e necessidades de cada parte.

É possível mediar alunos com alunos, alunos e professores, pais entre si, coordenadores e pais, enfim, toda uma gama de vínculos existentes que envolvem o processo escolar desse filho pode ser avaliada sob uma nova ótica: a de que todos podem trabalhar juntos e cooperar para resolver os problemas ali existentes. Numa sala de mediação as técnicas empregadas contribuem para que o conflito se desfaça e que as pessoas possam ser ouvidas.

O pai ou mãe que quer ser ouvido pela coordenadora, a coordenadora que quer ser ouvida pelos pais, o aluno que quer ser ouvido pela escola, a mãe que quer ser ouvida pelo filho, o filho que quer ser ouvido pelo professor, e assim por diante…

Aprender a ouvir não nos é ensinado da maneira correta. Escutamos, porém não ouvimos, e, não ouvindo, não sabemos de verdade o que o outro precisa, o que o outro quer, e do mesmo modo, não somos entendidos naquilo que realmente necessitamos e queremos. Agora já existe ferramenta pra isso. Eba!

* Lia Marchiori é mediadora do Instituto Alleanza, capacitada pela Harvard Law School.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.