Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Medição individualizada de água: economia e menos desperdício

Medição individualizada de água: economia e menos desperdício

15/09/2016 Marco Aurélio Teixeira

A divisão da conta de água nos condomínios será obrigatória.

Medição individualizada de água: economia e menos desperdício

De acordo com a Lei 13.312, dentro de cinco anos a regra entrará em vigor e todos os prédios novos do país deveram ter hidrômetros individuais entregues pela construtora.

Essa medida pode gerar uma economia de água de até 25% já no primeiro mês, podendo chegar a 50% por apartamento. A medida não atinge condomínios construídos antes da resolução, mas deve movimentar o mercado de construção civil nos próximos meses.

Quando a medição individualizada foi lançada, há 13 anos, houve muita dificuldade para convencer os usuários sobre a importância e funcionalidade da ferramenta. Na fase seguinte, a sociedade passou a entender melhor o conceito da medição individualizada e mais do que isso, a questão da justiça social - cidadãos querem pagar de acordo com seu consumo, e não mais pela conta do seu vizinho.

A medição individualizada propõe que as pessoas deixem de pagar o famoso “rateio” na conta do condomínio no consumo de água para pagar o valor real consumido por cada unidade utiliza, ou seja, apenas pelo que realmente gastaram.

Por meio da telemetria – medição à distância – é possível mensurar a diferença de consumo de água de uma família com muitas pessoas e de alguém que mora sozinho, por exemplo. Atualmente, com o agravamento da crise hídrica entramos em uma terceira etapa – da consciência ambiental.

Ou seja, além da busca por redução de custos, entra em cena também o temor de que um recurso até pouco tempo atrás tido como infinito, acabe. Em São Paulo já existe uma lei em vigor há seis anos, que obriga os apartamentos a terem medição individualizada; onde somos responsáveis por 50 mil pontos de medição hidráulica.

Esse crescimento também foi impulsionado pela crise econômica. Atualmente, a cada dez orçamentos que preparamos, sete são aprovados pelos prédios. Antes desse período, apenas uma proposta era aceita.

* Marco Aurélio Teixeira é gerente de negócios da CAS Tecnologia e especialista em gestão de recursos hídricos e precursor da medição individualizada no Brasil.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.