Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Médico: uma profissão de risco

Médico: uma profissão de risco

18/09/2020 Dr. Marcelo Campelo

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.

Após realizar sua meta, inicia-se uma longa jornada universitária. Logra êxito em se formar, cola grau, recebe seu número de inscrição no Conselho Regional de Medicina e passa a exercer a profissão.

Nesse momento escolhe uma área de atuação. Novamente, junto com o trabalho estuda para ingressar em uma residência médica de renome, consegue e mais um par de anos estudando para receber o diploma de sua especialização, juntamente com plantões e dias sem dormir.

Uma formação médica de excelência pode durar de uma década até mais, isso sem contar aqueles que fazem o mestrado e doutorado. O bom médico estuda, trabalha, vive para a profissão.

Porém, por mais preparado, no confuso dia a dia de nossa sociedade, situações podem ocorrer que colocam sob risco toda uma vida de dedicação.

Um paciente insatisfeito, alheio às consequências que realiza reclamações em redes sociais, na Justiça Cível, na Justiça Criminal e até mesmo no CRM, cria um tumulto  desequilíbrio na vida do profissional que pode destruir uma carreira.

Para se prevenir e reduzir o risco de exposição não a outro caminho senão se prevenir com cuidados formais, como os documentos médicos, não apenas os de cunho técnico, como o prontuário, fichas de anamnese, mas também aqueles relativos a relação médico paciente, como contrato de prestação de serviços e termo de consentimento para exemplificar.

Mas não basta jogar na frente do paciente os documentos para assinatura. O médico deve explicar o serviço que será realizado, num linguajar inteligível para o homem comum, bem como os seus riscos. Os contratos devem ser escritos e apresentados de uma forma que possibilite a fácil leitura e compreensão.

Profissionais mais cuidadosos, inclusive, fazem uma pequena cartilha do serviço, com os cuidados, precauções, orientações e riscos. O paciente assina que recebeu, na frente do médico que lhe orienta.

Sabe-se da correria e dificuldade em organizar esses minutos de conversa, mas eles são fundamentais para estabelecer um elo entre médico e paciente. Com uma ligação firme, transparente, dificilmente haverá problemas.

* Dr. Marcelo Campelo é advogado especialista em direito empresarial.

Fonte: Toda Comunicação



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.