Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Memória fraca da senadora Gleisi Hoffmann

Memória fraca da senadora Gleisi Hoffmann

27/09/2017 Julio César Cardoso

O pito da senadora Ana Amélia à líder da bancada da chupeta e do PT, Gleisi Hoffmann, foi arrasador.

Da página do Facebook da Senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS): “Hoje (19/09) tive de refrescar a memória da senadora presidente do PT que censurou os parlamentares que votaram a favor do impeachment. Por que não menciona as obras inacabadas que foram iniciadas em 2014 apenas como parte do projeto de reeleição a qualquer custo? O resultado da gestão irresponsável foi a mais grave crise do país e 14 milhões de desempregados. É preciso coerência nas atitudes. Querem tapar o sol com a peneira! A ladainha de perseguição política não cola mais depois do que Palocci falou na Justiça sobre Lula”.

Acessando a página eletrônica da senadora Ana Amélia, o leitor poderá assistir ao vídeo onde a senadora gaúcha, com desenvoltura e contundência, destrói os argumentos do PT e da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). O pito da senadora Ana Amélia à líder da bancada da chupeta e do PT, Gleisi Hoffmann, foi arrasador.

Gleisi, no entanto, com o seu sorriso de sempre debochado, engoliu a seco as verdades de Ana Amélia. Será que Gleisi dorme um sono tranquilo diante da condenação de Lula e de outras que virão, inclusive dela e de seu esposo Paulo Bernardo, o qual é acusado em parceria com a CONSIST de ter criado esquema criminoso para lesar os empréstimos consignados dos velhinhos aposentados e endividados?

Causa estupefação a desfaçatez de Gleisi ao ainda defender Lula, depois de desmascarado por Palocci. Lula é um caso de patologia psiquiátrica. Agora, encurralado na Justiça, chega ao desplante de invocar o testemunho de uma pessoa morta, a sua própria esposa, para justificar os comprovantes de pagamentos de aluguel, que ele finge não saber.

Será que a senadora Ana Amélia conseguiu refrescar a memória da empedernida Gleisi Hoffmann?

* Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.