Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Menos estresse no trabalho, mais produtividade

Menos estresse no trabalho, mais produtividade

04/12/2014 Rodrigo Bertozzi

No mundo pós-moderno, marcado pela velocidade, por mudanças constantes e pela competição acirrada entre as empresas, a pressão por resultados torna o ambiente de trabalho cada vez mais impregnado de tensão, afetando diretamente a saúde mental e física dos trabalhadores, principalmente os de alto escalão.

Essa competição faz aflorar sentimentos negativos, como soberba,ressentimento, revolta e raiva. Sim, são sentimentos irracionais, mas demasiadamente humanos e que, num ambiente corporativo, se refletem emcomportamentos inadequados, provocando mal estar no trabalho afetando inclusive a produtividade e o lucro das companhias.

Como sabemos, os maus exemplos tendem a predominar sobre os bons. Coloque uma pessoa nervosa,muito agitada ou, ao contrário, uma outra, desanimada e sem iniciativa, no meio de uma equipe produtiva e meça os resultados. Certamente serão desastrosos. Mas muitas empresas teimam em não ver isso, pois não levam em conta a necessidade de se administrar as emoções dos executivos para manter o equilíbrio da companhia. No caso de empresas familiares, a situação tende ser ainda mais grave, já que as emoções ficam à flor da pele, uma vez que é tênue a fronteira entre os interesses da empresa e os da família.

Os empresários precisam entender que, para administrar as emoções de seus executivos, é necessário levá-las em conta. Para isso, é preciso contar com o apoio de especialistas para mapear comportamentos e trabalhar a fonte dos conflitos, a fim de eliminá-los. Como resultados, virão maior realização pessoal de patrões e executivos, equipes de trabalho mais felizes e uma empresa mais fortalecida e competitiva. Para isso, estou lançando, junto com a médica psiquiátrica Raquel Heep, o programa Psiquiatria Corporativa.

Por meio de minha experiência no meio empresarial e da experiência dela no consultório, queremos levar às empresas e aos seus profissionais um trabalho comprovadamente eficaz de desenvolvimento de competências e estratégias emocionais e comportamentais. É ingenuidade um presidente de empresa julgar que seus executivos efuncionários são infensos a emoções ou que elas não afetam o desempenho da companhia. Somos movidos por raiva, alegrias, decepções, preocupações.Afinal, como dizia Peter Brucker – o pai da administração moderna –, nenhuma instituição pode sobreviver se precisar de gênios ou super-homens para a administrar.

Ela deve estar organizada de forma a ser capaz de seguir em frente sob uma liderança composta de seres humanos medianos. O que precisamos aprender é verificar o que motiva nossos comportamentos, nos aperfeiçoar e apoiar os demais membros da equipe corporativa. Não se trata de um projeto de responsabilidade do RH, psicóloga e médico do trabalho, mas sim de um programa que requer o envolvimento da organização como um todo no estudo das emoções corporativas. É hora de tratar as emoções para que possamos trabalhar em um ambiente psicologicamente mais saudável. Assim, haverá também melhor desempenho e – por que não? - melhor produtividade e lucro.

*Rodrigo Bertozzi é CEO da B2L Investimentos S.A.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.