Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Menos presos no Brasil

Menos presos no Brasil

19/05/2017 Wellington Anselmo Martins

Diante da ONU,o Brasil se comprometeu a reduzir em pelo menos 10% o número de encarcerados até 2019.

Isso porque, hoje, o nosso país ainda está entre as maiores populações prisionais do mundo. O alto índice de criminalidade no país ajuda a manter elevada a porcentagem de brasileiros na cadeia.

Porém, a massificação do encarceramento, além de racista e classista por atingir principalmente os mais pobres e negros, tem sido ineficaz na redução da violência. As ruas do Brasil continuam sendo um lugar perigoso, mesmo já havendo mais de 700 mil condenados atrás das grades.

Isso ocorre, dentre diversos fatores, porque a criminalidade tem sido combatida mais em seus sintomas do que em suas causas. O exemplo mais comum disso é a prisão diária de usuários de drogas.

O histórico prisional nacional tem uma ficha infinita de prisões de pessoas que, em vez de cadeia, precisavam de hospitais. Ou seja, há uma prática equivocada nos serviços de segurança, pois ainda atualmente se interpreta que o lugar do usuário de drogas é na prisão e que, desse modo, a sociedade se tornaria mais segura.

Ora, estamos diante de um engano tanto no diagnóstico social quanto nos tratamentos políticos propostos. As cadeias superlotadas, no fim, servem de matéria prima para o crime organizado.

Assim, então, o descontrole do Estado brasileiro é sentido tanto pelo cidadão comum, que sabe não poder caminhar tranquilamente pelas ruas, quanto pelos centenas de milhares de condenados dentro dos presídios. Enfim, é preciso mudar a estratégia.

A guerra contra as drogas não deve mais servir de justificativa para a prisão de adolescentes já marginalizados ou de doentes mentais. O Brasil precisa avançar em duas frentes. Primeiro, a humanização dos presídios, com foco na ressocialização dos detentos.

Segundo, do lado de fora, amenizar as desigualdades sociais por meio da democratização da educação básica de qualidade. A promessa, então, de diminuição da população carcerária não se trata apenas de um problema quantitativo. Na realidade, é estrutural.

Por isso, ao mesmo tempo em que buscamos diminuir os 10% prometidos à ONU, será necessário que trabalhemos um projeto de médio e longo prazos visando criar um país menos policialesco e repressor e mais focado na qualificação educativa da liberdade do próprio povo.

* Wellington Anselmo Martins é mestre em Comunicação (Unesp), graduado em Filosofia (USC).



Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.