Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Menos presos no Brasil

Menos presos no Brasil

19/05/2017 Wellington Anselmo Martins

Diante da ONU,o Brasil se comprometeu a reduzir em pelo menos 10% o número de encarcerados até 2019.

Isso porque, hoje, o nosso país ainda está entre as maiores populações prisionais do mundo. O alto índice de criminalidade no país ajuda a manter elevada a porcentagem de brasileiros na cadeia.

Porém, a massificação do encarceramento, além de racista e classista por atingir principalmente os mais pobres e negros, tem sido ineficaz na redução da violência. As ruas do Brasil continuam sendo um lugar perigoso, mesmo já havendo mais de 700 mil condenados atrás das grades.

Isso ocorre, dentre diversos fatores, porque a criminalidade tem sido combatida mais em seus sintomas do que em suas causas. O exemplo mais comum disso é a prisão diária de usuários de drogas.

O histórico prisional nacional tem uma ficha infinita de prisões de pessoas que, em vez de cadeia, precisavam de hospitais. Ou seja, há uma prática equivocada nos serviços de segurança, pois ainda atualmente se interpreta que o lugar do usuário de drogas é na prisão e que, desse modo, a sociedade se tornaria mais segura.

Ora, estamos diante de um engano tanto no diagnóstico social quanto nos tratamentos políticos propostos. As cadeias superlotadas, no fim, servem de matéria prima para o crime organizado.

Assim, então, o descontrole do Estado brasileiro é sentido tanto pelo cidadão comum, que sabe não poder caminhar tranquilamente pelas ruas, quanto pelos centenas de milhares de condenados dentro dos presídios. Enfim, é preciso mudar a estratégia.

A guerra contra as drogas não deve mais servir de justificativa para a prisão de adolescentes já marginalizados ou de doentes mentais. O Brasil precisa avançar em duas frentes. Primeiro, a humanização dos presídios, com foco na ressocialização dos detentos.

Segundo, do lado de fora, amenizar as desigualdades sociais por meio da democratização da educação básica de qualidade. A promessa, então, de diminuição da população carcerária não se trata apenas de um problema quantitativo. Na realidade, é estrutural.

Por isso, ao mesmo tempo em que buscamos diminuir os 10% prometidos à ONU, será necessário que trabalhemos um projeto de médio e longo prazos visando criar um país menos policialesco e repressor e mais focado na qualificação educativa da liberdade do próprio povo.

* Wellington Anselmo Martins é mestre em Comunicação (Unesp), graduado em Filosofia (USC).



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.