Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mentiras oficiais sobre o PRONATEC

Mentiras oficiais sobre o PRONATEC

28/10/2015 Francisco Borges

O estudo divulgado pelo Ministério da Fazenda no dia 25 de setembro em que são desqualificados os resultados de um dos principais programas do governo, o PRONATEC, quanto à sua eficiência no sentido de aumentar a empregabilidade gerou grande repercussão.

No entanto, o Ministério da Educação até hoje não apresentou dados que se opusessem ao da outra pasta.

Alguns veículos de comunicação destacaram que a amostragem utilizada pela Fazenda para o estudo fosse restrita a 160 mil alunos concluintes do programa Bolsa Formação.

Na verdade, incluía ainda formados e dos Programas Formação Inicial Continuada, ou FICs, o que não deixa de tirar qualquer credibilidade do resultado da análise.

A grande diferença entre estes dois modelos de cursos, o Bolsa Formação e o FIC, ambos integrantes do PRONATEC, é que o primeiro consiste na oferta de cursos de Habilitação Técnica que têm duração de dois a três semestres, enquanto que o outro é composto por cursos rápidos que asseguram, no máximo, um certificado relacionado a uma qualificação de formação específica.

A amostragem utilizada no estudo permite que se compare um técnico em edificações com um azulejista, ou um Técnico em Nutrição e Dietética com um Auxiliar de Merenda. Sem desmerecer qualquer uma das ocupações citadas, não há seriedade nos dados apresentados.

A origem do equívoco em misturar cursos reais de formação, como são os Cursos Técnicos com os cursos FICs que duram, na sua maioria, 160 horas, é o próprio governo federal, que utilizava as matrículas em cursos FICs (menores, mais baratos e com maior número de vagas) a fim de engordar os números de matrículas.

Desqualificar a formação profissional enviesando dados sem que houvesse um representante do MEC gestor do programa que pudesse se posicionar quanto a credibilidade da informação combina com a estrutura governamental dos últimos anos.

O deslize do estudo fica evidente quando confrontado com instituições consistentes na educação profissional. O Centro Paula Souza, por exemplo, admite 50 mil jovens semanalmente em dezenas de cursos técnicos que têm 85% de índice de empregabilidade entre os concluintes, com, em média, 4 candidatos por cada vaga oferecida.

Cortar investimentos na Educação Profissional pode ajudar a fechar a conta orçamentária agora, mas vai custar muito mais caro em alguns anos quando a população envelhecer sem ter produzido o suficiente para cobrir os seus próprios custos previdenciários.

* Francisco Borges é consultor da Fundação FAT em Gestão e Políticas Públicas voltadas à Educação.



Woody Allen e Dylan Farrow

A possível síndrome de falsas memórias.


A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.