Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Microcefalia exige esforço maior do governo

Microcefalia exige esforço maior do governo

21/12/2015 Prof. Dr. Assumpto Iaconelli Junior

Dizer para a população não engravidar não é solução!

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, no inverno do ano passado os casos de dengue aumentaram 840%, contrariando todas as expectativas.

Este ano, a doença tomou proporções epidêmicas e as oscilações climáticas devem agravar ainda mais o quadro.

Até agora, o se fez no sentido de combater o mosquito aedes aegypt não se mostrou eficiente, já que está totalmente adaptado ao Brasil.

Sem vacinas no curto prazo e sem estratégias públicas consistentes e duradouras de combate e prevenção, tudo o que temos visto é a expressão de medo no rosto das pessoas que temem ser infectadas.

Como se não bastasse esse grande problema – cuja solução passa longe de apenas garantir que as pessoas não deixem água parada dentro de casa – agora tomamos ciência de que o vírus Zika é transmitido pelo mesmo mosquito e, mais grave ainda, é responsável por um aumento expressivo de casos de microcefalia.

Com sintomas muito parecidos com a dengue, só que mais brandos, o Zika já comprometeu quase 1.300 recém-nascidos, em pouco mais de 310 municípios brasileiros. A maioria dos casos foi diagnosticada nas Regiões Norte e Nordeste, embora alguns casos de microcefalia estejam sendo investigados em Minas Gerais e São Paulo.

Essa doença é responsável por um atraso no desenvolvimento neurológico, mental, psíquico e motor da criança – em maior ou menor grau. Assim como aconteceu com a dengue, não vai demorar para a doença ganhar proporção nas demais regiões.

O Estado de São Paulo, por exemplo, já declarou que vai recorrer até mesmo ao Exército se preciso for para reforçar suas ações de combate aos criadouros do mosquito aedes aegypt, tanto em áreas públicas, como dentro das residências.

A partir do próximo ano, também estará mais acessível o teste que permite confirmar a doença. No meio de todo esse cenário assustador, em que há risco iminente de aumentar o número de crianças com esse tipo de malformação, uma recomendação do Ministério da Saúde – dita e desdita algumas vezes – tem chamado atenção de todos: evitar a gravidez.

Oras, não há bom senso no mundo que justifique uma orientação desse tipo. Até porque ela não vem acompanhada de um prazo. Casais que planejavam ter um bebê em 2016 devem esperar até quando? Haja vista o descontrole com relação à dengue, por quanto tempo as mulheres devem esperar para poder engravidar com segurança?

Até agora, ninguém trouxe essa informação. Vale lembrar que, aos vinte e poucos anos, todo mês a mulher tem entre 20% e 25% de chance de engravidar – tendo relações sexuais frequentes durante seu período fértil. Dos 30 aos 34 anos, as chances caem para 15% ao mês.

Quem tem mais de 35 anos tem apenas 10% de chance por mês de engravidar – e essa possibilidade só faz diminuir com o passar do tempo. Diante dessa realidade, esperar por quanto tempo? Não é possível que, para controlar um surto de microcefalia, por mais inesperado que isso possa ter sido para as autoridades brasileiras, tudo o que se possa fazer seja recomendar que as mulheres evitem engravidar.

Quando o governo fala em pesquisar e investir no desenvolvimento de vacinas, se esquece de determinar prazos e metas. É preciso muito mais do que se mostrar inquieto e surpreso com os estragos que essa malformação pode representar para as mães, as famílias, a sociedade e a economia como um todo. Só não pode colocar a culpa nas mães.

* Prof. Dr. Assumpto Iaconelli Junior é especialista em Medicina Reprodutiva e diretor do Fertility Medical Group.



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.