Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mineração e a possível retomada econômica

Mineração e a possível retomada econômica

09/10/2020 Alexandre Brandão Bastos Freire

O Programa Mineração e Desenvolvimento (PMD), que foi lançado dia 28 de setembro, tem como finalidade fixar a agenda do governo Federal para a mineração deste ano até 2023.

Ele contém 110 metas, entre elas, economia mineral, sustentabilidade ambiental e investimento e financiamento para o setor. Uma observação importante é a preocupação do PMD no que se refere à questão da segurança jurídica.

Neste quesito, o ponto em destaque é a atração de investimentos para projetos na área da mineração, principalmente, do exterior, com o objetivo de concretizar essa atividade como uma parceria para o desenvolvimento sócio-econômico-ambiental, inclusive nos municípios mineradores e nas regiões próximas.

O programa traz ainda pautas que já demandavam uma discussão mais ampla acerca da atividade mineradora, a partir dele o Brasil não será conhecido apenas como um dos principais em desenvolver a mineração, mas também como o país com uma cultura de mineração inovadora.

Um outro ponto do programa que merece destaque é a regularização da mineração em áreas indígenas, o que possibilita combater a mineração ilegal, além de ampliar as áreas de aproveitamento para a atividade.

É bom entender que o PMD não é só para assegurar que a mineração seja regularizada, mas também ajuda a gerar empregos, diminuindo as barreiras para exploração, fazendo com que haja mais investimentos, aumentando ainda a necessidade de mão de obra.

A ideia é estimular a retomada econômica por meio da atividade mineradora sustentável, para isso, o plano propõe estimular implantação de minas com tecnologias que tenham pouco impacto ambiental e proporcione um elevado ganho social; adotar medidas para atrair investidores públicos, privados, nacionais e internacionais e amenizar a dependência de matéria mineral importada e aperfeiçoar mecanismos de fiscalização e controle.

A rica história da mineração no Brasil como atividade socioeconômica começa no século XVII, com as expedições chamadas entradas e bandeiras que vasculharam o interior do território a procura de metais valiosos (ouro, prata, cobre) e pedras preciosas (diamantes, esmeraldas). Já no início do século XVIII (entre 1709 e 1720) estas foram achadas no interior da Capitania de São Paulo (Planalto Central e Montanhas Alterosas), nas áreas que depois foram desmembradas como Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

Não podemos deixar de enaltecer que o solo brasileiro é rico em minerais. De acordo com Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, somente em julho, o país extraiu 88 tipos de minérios do subsolo.

Ainda segundo Bento, os minerais contribuem com 2,5% do PIB, geram mais de R$ 50 bilhões em tributos e royalties durante um ano.

As exportações do Brasil em minério de ferro avançaram 18,5% em setembro em relação ao mesmo período de 2019, para 37,86 milhões de toneladas, em período em que a Vale previu ampliar o ritmo de produção, de acordo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Todos esses fatores trazem um saldo positivo para a balança comercial brasileira e mais um estímulo a organização do setor.

* Alexandre Brandão Bastos Freire é sócio do escritório Bastos Freire Advogados e MBA em Direito Empresarial.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.