Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Modelo de sociedade em franquias: investidor e administrador

Modelo de sociedade em franquias: investidor e administrador

15/12/2014 Germano Leardi Neto

Muitas pessoas possuem capital para investir, mas não querem mergulhar de cabeça no dia a dia de um novo negócio.

O que eles querem, na verdade, é apenas aumentar o patrimônio e, uma franquia imobiliária pode ser uma boa alternativa. Nesse caso, a opção é entrar como sócio-investidor, seja com recursos próprios ou financiamento bancário, enquanto outro sócio administra os negócios. O sucesso nesse tipo de empreitada depende diretamente da boa sintonia entre os dois. Quem for entrar com o capital de investimento deve ser muito criterioso na hora de escolher o sócio-administrador.

Isso porque o sócio-investidor é o mais interessado no sucesso da franquia. Afinal de contas, se o negócio não for para frente, ele é quem vai ter o maior prejuízo. Portanto, não precisa nem falar que o investidor busque uma pessoa comprometida com o trabalho e com tempo integral disponível para cuidar da parte operacional. O sócio ideal pode estar até mesmo na sua família. No fundo, o importante é que os dois sócios se complementem. Por exemplo, se o investidor conhece tudo sobre finanças, um parceiro que saiba lidar com pessoas pode ser a melhor pedida.

Aqui, cabem duas ressalvas. A primeira é que nenhum dos sócios precisa ter tido experiência no mercado imobiliário. O suporte do franqueador cobre essa lacuna. Além disso, em caso de sociedade, os dois sócios devem passar pela avaliação do comitê do franqueador, conforme o papel de cada um. Do sócio-investidor, espera-se por uma pessoa sem problemas em bancos. Já do sócio-administrador, a marca deseja encontrar alguém com espírito de liderança. Na hora da divisão dos lucros é preciso uma atenção especial. Esse momento costuma ser bem delicado e gerar bastante discussão entre os sócios.

Para a sociedade não entrar em crise logo nos primeiros meses, é importante que a participação nos lucros já esteja estabelecida antes da assinatura do contrato social. O ideal é que quem tira o investimento do próprio bolso receba uma porcentagem maior em cima dos lucros, já que ele corre mais riscos. Do outro lado, o administrador deve receber, além de uma pequena porcentagem nos lucros, uma quantia mínima mensal pelo trabalho. Essa remuneração precisa ser compatível com o mercado. Uma boa margem em cima de crescimento, por exemplo, pode ser uma estratégia positiva para garantir que o administrador não se acomode e corra atrás de novos clientes.

*Germano Leardi Neto é diretor de relações institucionais da franqueadora imobiliária Paulo Roberto Leardi.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa