Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

19/01/2018 Cida Gonçalves

Não se fortalece a mulher enfraquecendo os homens.

Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

Fiquei feliz ao ler o manifesto feito pelas francesas, encabeçado por ninguém menos que a mitológica Catherine Deneuve! Discordo dessa onda de protestos que se agiganta diariamente contra os homens, taxando-os, todos, sem excessão, de machistas, primitivos, chauvinistas e por aí afora…

Não se fortalece a mulher enfraquecendo os homens. O que precisamos é de mulheres fortes que sejam capazes de dizer "sim, eu quero" ou "não, eu não quero, caia fora". Como se consegue isso? Educando nossas meninas e mulheres para serem independentes, donas da própria vida, das próprias vontades e desejos! Isso sim é empoderamento feminino.

Hoje vejo homens assustados, amedrontados, porque até olhar uma mulher com desejo é considerado assédio sexual! Caminha-se para o perigoso momento em que o ritual da conquista, da sedução, do olhar, da piscadela marota e do sorriso ousado passam a se metamorfosear em perigo de escândalo, cadeia.

Pura tolice! Não estou falando aqui de violência, coação, agressão sexual, atos libidinoso, estupro. Crime é crime. Estou falando de sedução, pura e simples, elogios que vêm de surpresa (fazem bem para o ego!), convite para um café depois do trabalho ou até mesmo para uma transa casual (se ambos estão dispostos, se os sinais são evidentes, por que não?).

Mas a arte da sedução está virando crime! Está tudo misturado no mesmo balaio de abusos e sedução está virando sinônimo de agressão. Deixar-se seduzir não é fraqueza. Sempre me senti uma mulher empoderada, e desde os tempos que ninguém pronunciava essa palavra, desde que ela sequer era bandeira ou fazia parte dos dicionários.

O que me deu empoderamento? Independência! Ser independente financeiramente e emocionalmente sempre me deu o poder de escolha, de aceitação, de rejeição, de diversão, de me permitir às delícias da sedução! E é pra isso que devemos fazer campanhas, pela igualdade e liberdade, que possamos seduzir e ser seduzidas.

É aí que mora o segredo e a beleza desse mundo já tão combalido de tantas misérias, cada vez mais difícil e sem cor. Deixemos que homens e mulheres sejam livres para viver a sexualidade sem amarras, sem medos e com prazer. Que tenhamos a liberdade de dizer NÃO mas também a oportunidade de poder dizer SIM!

* Cida Gonçalves é diretora executiva da PLAYBOY BRASIL.



Entre a Pressa e a Preguiça

Quem já passou dos quarenta anos e viveu em algum canto do Brasil, experimentou, certamente, exercícios sistemáticos de paciência.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.