Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

19/01/2018 Cida Gonçalves

Não se fortalece a mulher enfraquecendo os homens.

Moi aussi, Catherine Deneuve…eu também!

Fiquei feliz ao ler o manifesto feito pelas francesas, encabeçado por ninguém menos que a mitológica Catherine Deneuve! Discordo dessa onda de protestos que se agiganta diariamente contra os homens, taxando-os, todos, sem excessão, de machistas, primitivos, chauvinistas e por aí afora…

Não se fortalece a mulher enfraquecendo os homens. O que precisamos é de mulheres fortes que sejam capazes de dizer "sim, eu quero" ou "não, eu não quero, caia fora". Como se consegue isso? Educando nossas meninas e mulheres para serem independentes, donas da própria vida, das próprias vontades e desejos! Isso sim é empoderamento feminino.

Hoje vejo homens assustados, amedrontados, porque até olhar uma mulher com desejo é considerado assédio sexual! Caminha-se para o perigoso momento em que o ritual da conquista, da sedução, do olhar, da piscadela marota e do sorriso ousado passam a se metamorfosear em perigo de escândalo, cadeia.

Pura tolice! Não estou falando aqui de violência, coação, agressão sexual, atos libidinoso, estupro. Crime é crime. Estou falando de sedução, pura e simples, elogios que vêm de surpresa (fazem bem para o ego!), convite para um café depois do trabalho ou até mesmo para uma transa casual (se ambos estão dispostos, se os sinais são evidentes, por que não?).

Mas a arte da sedução está virando crime! Está tudo misturado no mesmo balaio de abusos e sedução está virando sinônimo de agressão. Deixar-se seduzir não é fraqueza. Sempre me senti uma mulher empoderada, e desde os tempos que ninguém pronunciava essa palavra, desde que ela sequer era bandeira ou fazia parte dos dicionários.

O que me deu empoderamento? Independência! Ser independente financeiramente e emocionalmente sempre me deu o poder de escolha, de aceitação, de rejeição, de diversão, de me permitir às delícias da sedução! E é pra isso que devemos fazer campanhas, pela igualdade e liberdade, que possamos seduzir e ser seduzidas.

É aí que mora o segredo e a beleza desse mundo já tão combalido de tantas misérias, cada vez mais difícil e sem cor. Deixemos que homens e mulheres sejam livres para viver a sexualidade sem amarras, sem medos e com prazer. Que tenhamos a liberdade de dizer NÃO mas também a oportunidade de poder dizer SIM!

* Cida Gonçalves é diretora executiva da PLAYBOY BRASIL.



Dificultando o acesso ao livro

Na proposta de reforma tributária endossada pelo Governo e enviada ao Congresso consta uma nova taxação.


Redes sociais: espaço fértil para a indignação e a esperança

Há um inconformismo geral com o nosso cenário político atual, a indignação é generalizada e evidente em parcela significativa da população.


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!