Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Municípios podem ajudar no preço dos combustíveis

Municípios podem ajudar no preço dos combustíveis

08/11/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O governo federal zerou o imposto sobre o diesel e não reajustou as alíquotas da gasolina e do etanol. Os Estados congelaram por 90 dias e buscam solução para o ICMS dos combustíveis.

Falta agora o município fazer sua contribuição, aproveitando o mesmo instituto oriundo do Supremo Tribunal Federal, que deu ao prefeito força para decidir no combate à pandemia da Covid-19.

Mesmo não tendo tributação direta sobre os produtos, o município pode contribuir com a não elevação dos preços mediante a desoneração dos impostos das distribuidoras do petróleo e derivados, postos de abastecimento, empresas transportadoras (ônibus e cargas) e sobre a frota autônoma de veículos de aluguel (taxis e aplicativos) e serviços registrados em seu território.

Somadas, as reduções tributários das três esferas, teremos menor pressão sobre os transportes e consequente alívio no preço final das mercadorias transportadas.

Em Olimpia (SP), o vereador Tarcisio Cândido de Aguiar (MDB), o “Sargento Tarcísio”, trabalha na preparação de um projeto para o município contribuir nos esforços para fazer os combustíveis chegarem com preços menores à bomba de abastecimento. Ele já fez reuniões e algumas consultas para, nas próximas horas, apresentar a proposta.

Diante da importância e urgência do tema, a propositura deverá merecer a atenção dos seus colegas e também de outros municípios, pois se trata de um problema nacional e gravoso a toda a população.

Desde os anos 60, quando o Egito nacionalizou o Canal de Suez – então pertencente a uma empresa petrolífera e via de escoamento da produção - o petróleo tem preço político.

Em 1961, foi funadada a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróelo), um cartel dos produtores destinado a enfrentar as distribuidoras, conhecidas como as “sete irmãs”, que domivavam o setor e ditavam os preços.

Em 1973 houve o segundo choque do petróleo, com os países árabes elevando os preços em até 400% (de 3 para 12 dólares o barril) em represália aos Estados Unidos, que sofreram embargo no fornecimento por terem apoiado Israel na Guerra do Yom Kipur.

Em 1979, a chegada dos aiatolás ao poder no Irã, depois a guerra Irã-Iraque e mais finalmente a Guerra do Golfo (1991), tiveram grande influência no preço do petróleo porque envolveram os principais produtores.

Segundo os registros do Banco Mundial, nos últimos 25 anos, o preço do barril de petróleo (159 litros) variou bastante, chegando ao piso de US$ 10,41 (dezembro 1998) e ao teto de US$ 132,83 (julho 2008).

Passou dos US$ 100,00 em 2011, 12, 13 e 14 e voltou as cair até US$ 21,04 (abril 2020). A partir dali manteve a tendência de alta até as cotação atual, de US$ 86,00.

O noticiário registra que o preço hoje praticado é o maior dos últimos sete anos. É consderado alto dentro da média praticada nos últimos anos, ao redor dos US$ 50,00.

E o governo brasileiro não tem o que mais arrojado possa fazer porque, tendo ações no mercado e investidores privados, a Petrobras não pode se sujeitar a interferência governamental em sua política de preços.

É uma verdade até certo ponto frágil, se levarmos em consideração que a empresa, nos últimos anos, foi vítima do Petrolão, um dos maiores escândalos de corrupção ocorridos neste país. Mas um erro não justifica o cometimento de outro.

A esperança de mais estabilidade nos preços dos combustíveis passa exclusivamente por esquemas e desonerações que os governos possam executar na arrecadação tributária, tanto da mercadoria quanto da rede distribuidora.

Colocar a mão diretamente na estrutura de preços é inviável e pode, até, configurar crime. Mas, privatizar a Petrobras é do alto interesse da população, pois a empresa não faz nada mais do que faria uma particular sem qualquer investimento de dinheiro público. Pensem nisso, todos…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre combustíveis clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.