Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Na banca

Na banca

16/07/2008 Divulgação

É! Já vai um bom tempo, e eu enfurnado aqui. Sonhos perdidos, sufocados nos milhares de nãos que a gente leva a cada dia e que acabam nos empurrando para um lugar bem diferente do planejado. Planejado?  Disso não me queixo. Jamais planejei ser jornaleiro.

Traço peculiar da vida de um jornaleiro. A gente quase toma partido da situação do cliente. Porque além de vender, raro evitar um dedinho de prosa. Sim, claro, têm os sisudos, os que só abrem a boca para perguntar quanto-custa ou chegou-a-revista, isto quando chegam a emitir som. No mais, eles são quietos e formais como estátuas numa praça.

Comecei nessa lida faltava pouco para eu completar trinta anos. Óbvio que antes havia ralado a beça. Sou de Minas Gerais, e aqui em São José dos Campos pousei por causa de uma briga de família. O pedacinho de terra lá em Minas perdido para latifundiário guloso. A merreca que deram, ou exigiram que nossa família aceitasse, pouca serventia teve. Meus pais meio sem rumo toparam vir para Capital do Vale atrás de uns primos. Moravam em Santana, e lá compramos uma casa modesta. Fomos à luta, eu e meus cinco irmãos.

Cinco anos aqui, e me convidaram para ajudar numa banca. Empenhei-me ao extremo. Passados dez anos, consegui comprar o ponto. A grana dá pra sobreviver.

Claro, que quem tem espírito empreendedor e muita sorte, consegue adquirir um apartamento por andar como é o caso do Nelson de Aquino. O cara tem umas dez bancas só em São José dos Campos. Jacareí, Pindamonhangaba e Caraguatatuba igualmente contam com sua força empresarial. A maioria, contudo, é como eu: vive para sobreviver. Se o cara não beber nem for mão-aberta consegue a custo ter casa, carro e uma aposentadoria mais ou menos.

Na banca há um mundo. Se ganha pouco, mas se diverte. Tenho até a quarta série primária. Mas graças à banca que mergulhei na leitura. Tive oportunidade de ampliar minha cultura geral, de me descobrir ao passo que ia desvendando o mundo que jorra nos periódicos. E não é para me gabar, mas no jornalzinho do bairro vivem me pedindo para escrever a coluna mensal. E eu não vacilo. Gosto muito.

As pessoas, ah, as pessoas. Os tímidos que buscam a playboy ou catam as de sexo explícito. As dondocas que levam Cláudia. As jovenzinhas que grudam nas Atrevidas. Os aposentados que não dispensam as palavras cruzadas. Os ambiciosos com os jornais de concurso público. E como não me lembraria, o grande Ricardo de José da Silva, 16 anos atrás, trêmulo e suplicante para ver a Folha de S. Paulo, na qual encontraria seu nome aprovado no curso de Psicologia da UEP.

Embora que quando comecei era pouco popular as assinaturas, ainda assim a magia de comprar uma revista ou jornal na banca encanta. Ano que vem me aposento, e, depois que eu bater as botas, se eu for reencarnado e tiver opção, talvez seja novamente dono de banca de jornal e revistas.

* Escritor, autor do romance ANDO DE ÔNIBUS, LOGO EXISTO! Disponível nos sites www.livrariacultura.com.br e www.corifeu.com.br



Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos:


Combate ao terrorismo após 11 de setembro: incertezas e desafios

Faz 20 anos que acompanhamos, principalmente pela televisão, o maior ataque terrorista da história contemporânea.


ESG qualifica empresas na busca por investidores

Segundo a Morningstar, no início do segundo semestre o volume global investidos em fundos ESG ultrapassou o montante de US$ 2,3 trilhões.


A vacina é para todas as idades

Em todas as fases da vida manter a caderneta de vacinação em dia é muito importante.