Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Não existe nada que políticos não consigam destruir

Não existe nada que políticos não consigam destruir

29/03/2018 J. A. Puppio

O governo federal tem proporcionado algumas ações que costumam gerar indignação na população.

Muitos ajustes e mudanças de alíquotas causam revolta entre muitos brasileiros. O número de desempregados acima dos dois dígitos ainda persiste e não dá mostra que irá baixar tão breve, mesmo com a aproximação das eleições.

Se houvesse essa queda já seria um bom argumento para conquistar os eleitores, mas tudo indica que não será esse o cenário até o fim do ano. Os números são desanimadores e desestimulantes. O Palácio do Planalto que está desmoralizado, na visão de muitos cidadãos, oferecia para 86% da população um salário mínimo de R$ 952,00/ mês, e após um ano, informou que inflação foi de apenas 3%, oferecendo R$ 28,00 de aumento para o mínimo chegar a R$ 980,00/mês.

Mas na outra ponta, as alíquotas de responsabilidade dos governos federal ou estadual receberam outro tratamento. O combustível subiu 36%, a energia 41%, a água 38%, o gás 32%, e os pedágios elevaram seus preços em 26%, em média. Se passarmos para os automóveis a tendência persiste porque estes bens duráveis subiram 29% nos últimos 3 anos em razão dos sucessivos aumentos de impostos.

O que ficamos horrorizados em constatar é que o governo consegue empobrecer uma população de aproximadamente de 80 milhões de cidadãos que se aposenta pelo INSS com pensões de R$ 4 mil/mês e após 6 a 8 anos não recebem mais que R$1,6 mil/mês. Este enorme grupo social da classe média não consegue mais educar seus filhos adequadamente, não se alimenta mais normalmente e tem grandes chances de ficar doente antes da velhice.

Nosso País que não sofre com vulcões, tsunamis, nevascas, e oferece ainda 90% de terras férteis e agricultáveis em seu território, e mais 300 dias de sol por ano de cultivo. Mas muitos dos nossos políticos conseguem destruir todo esse panorama potencial com políticas ´propineiras monstruosas´, que achatam boa parte do povo para abaixo da linha da pobreza. Do outro lado há também problemas na classe empresarial.

Desafiamos que alguém nos aponte um grande ou megaempresário que tenha dado certo no Brasil, sem ter recorrido em algum momento a pequenas ou grandes ações ilícitas de ´propineiras´. O país, ao que tudo indica, não tem futuro se continuar seguindo esse caminho.

Se contarmos apenas com a maioria dos políticos atuais não vemos a possibilidade de se chegar a lugar algum em um futuro próximo e talvez soframos uma inadimplência total em breve, quem sabe...

* J. A. Puppio é empresário, diretor presidente da Air Safety e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.

Fonte: Vervi Assessoria



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.