Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Narcisismo, redes sociais e o medo do diferente

Narcisismo, redes sociais e o medo do diferente

23/07/2020 Sandra Araujo Hott

Narciso acha feio o que não é espelho, diria Caetano Veloso.

Nos consultórios, ouvimos pessoas sofrendo por ter um corpo que transpira, se cansa, tem espinhas e fraqueja, um corpo que perece e parece radicalmente diverso das infinitas cópias.

Teremos nos desacostumado aos rostos vivos com ângulos nem sempre belos ou felizes, mas vivos?

Podemos pensar que o único filtro do corpo vivo é o da ilusão, da fantasia, recobrindo de desejo como um véu velando nossas fragilidades e medos.

A internet proporciona a disseminação de ideias e imagens em uma velocidade cada vez maior. Embora não esteja disponível para a maior parte da população mundial, a web é uma poderosa ferramenta de comunicação e aprendizagem para a humanidade.

Abra-se uma rede social qualquer e encontraremos um fenômeno curioso de apagamento gradual das peculiaridades, ou seja, dá a impressão de que as pessoas têm buscado parecer milimetricamente iguais.

Embora existam excelentes profissionais, alguns processos de harmonização facial se assemelham mais a algum tipo de formatação facial. E nunca basta!

Lembramos do icônico ‘bico de pato’ que fez uma multidão de moças esticar seus lábios ao infinito ajudadas por toda sorte de cosméticos para dar-lhes volume e por exercícios em que usavam copinhos de sucção chineses.

Pode-se ir mais além com algum dos inúmeros preenchimentos labiais para um efeito mais duradouro. E, a todo instante, surgem novos desenhos de lábios considerados mais belos.

Por algum tempo houve uma tempestade de fotos nas quais meninas procuravam algo que havia caído no chão – e que nunca aparecia na imagem – ou seguiam alguma trilha de formigas imaginárias.

E, nova moda, formando uma infinita repetição de poses iguais em lugares iguais e com pessoas se querendo iguais.

Filtros e tutoriais de imagem seguem rechaçando sempre as diferenças. A busca por um ideal de beleza não é novo, assim como não são novas as rupturas provocadas pelos modismos.

A novidade talvez seja o humano, com sua imagem especular, exposto em rede e os múltiplos recursos tecnológicos que possibilitam ter bocas, narizes, rostos parecidos.

O que acontece nessa repetição infinita de querer caber naquilo que pensamos que o outro deseja de nós? Aqui, tanto Freud como Lacan teriam muitíssimo a contribuir, mas faremos apenas uma brevíssima reflexão.

A sensação de pertencimento é apaziguadora para o humano! Entretanto, para ser reconhecido por um grupo qualquer, são necessários rituais específicos que exibam as semelhanças e, simultaneamente, ocultem as diferenças.

Sob o novo filtro, sob a intervenção estética ou sob a maquiagem, esse é o acordo necessário.

O mercado produz necessidades com o objetivo de vender saciedade, e os corpos viram objetos, assim como roupas, carros e perfumes.

Um jovem pode sofrer indefinidamente por conta da imagem corporal que jamais se encaixará nas promessas das fotos retocadas tecnologicamente.

A infelicidade ganha nome, é precificada, e recebe uma promessa de fim quando a moça passa a querer ‘fazer a boca’ de determinada celebridade ou se deseja alinhar o nariz.

A falta constitutiva, porém, seguirá deslizando numa angústia infinita. Por fim, para nossa alegria ou tristeza, somos únicos. Cabe a cada um viver sua própria diferença do jeito que puder.

* Sandra Araujo Hott é psicanalista, professora e supervisora clínica.

Fonte: Agência Drumond



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.