Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Nem amador, nem herói

Nem amador, nem herói

30/09/2017 Flávio Nascimento Mateus

Muito se fala sobre a chamada Indústria 4.0, cada vez mais automatizada e operada remotamente.

Antes de pensar sobre todas as inovações nos campos de automação, controle e tecnologia da informação, aplicadas aos processos produtivos, vale fazer uma reflexão sobre a influência da qualidade no contexto das fábricas inteligentes.

De nada adianta tanta modernidade – como máquinas autônomas e sensorizadas – se não houver o básico. Não se pode esquecer que hoje, com as máquinas manuais, é possível fazer ações de contenção e trabalhar com pequenos desvios na produção, compensados com retrabalhos, inspeções extras ou desvios especiais.

Com as máquinas autônomas, não será possível parar no meio uma produção, que é dotada de inúmeras conexões. Se não houver a estabilidade necessária nas máquinas, refugos serão produzidos, com geração de enormes prejuízos e atrasos em toda a cadeia. Provavelmente máquinas trabalharão por horas ou, talvez, dias a fio sem uma correção.

É fato que fazer o correto da primeira vez sempre foi uma exigência de toda a cadeia automotiva, mas agora, com a Indústria 4.0, é mais do que nunca um imperativo. Para tanto, o profissional precisa pensar no sentido horário ou seguir o ciclo PDCA. Não se pode sair executando uma nova atividade sem saber exatamente o que está sendo feito, o que é uma prática bastante comum no ocidente.

O brasileiro geralmente tenta se instruir somente quando algo dá errado ou faz por tentativa até acertar. O contrário é visto em outras culturas. Quando o japonês ou o alemão se propõe a fazer uma nova tarefa, o primeiro passo é sempre estudar, planejar, fazer experimentos para conhecer tudo sobre aquele assunto. Ter sucesso no experimento é a condição para ele se propor a executar a atividade.

Esta é a premissa básica da qualidade. As empresas têm à disposição diversas ferramentas de qualidade, mas comumente ainda só trabalham com tais ferramentas na ocorrência do erro. Essa propensão do brasileiro de ser criativo está chegando a um expoente que não cabe na Indústria 4.0. Não haverá espaço para amador ou herói nas fábricas inteligentes.

Agora é necessário dar atenção à qualidade dos processos produtivos. Mais do que nunca, a capabilidade das máquinas deve ser observada, assim como a estabilidade e a precisão dos instrumentos de medição, a aplicação dos ciclos de manutenção (preventiva e preditiva) e a reposição dos ferramentais, todos devem ser aplicados à risca.

Vale lembrar que a qualidade é medida na indústria automotiva pela satisfação da necessidade do cliente, que é traduzida na entrega de produtos sem defeitos, nos prazos combinados e com custos adequados. Pensar no sentido horário é requisito na Indústria 4.0 para equilibrar as três forças que geram a satisfação do cliente.

Estes são alguns desafios para o desenvolvimento do parque industrial brasileiro no contexto das fábricas inteligentes, que também serão discutidos no 5º Fórum IQA da Qualidade Automotiva. O encontro reunirá lideranças da indústria, da academia e do governo no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo, dia 9 de outubro.

* Flávio Nascimento Mateus é diretor do Instituto da Qualidade Automotiva (IQA).



Será que o franciscano tinha razão?

Quando estive em Roma, conheci sacerdote, que estava hospedado no Convento anexo à Basílica de Santo António, na via Mariana.


O gestor educacional na era da inovação: lugar da teoria e da prática

Maquiavel em sua obra celebre “O Príncipe” preconiza que para conhecer a natureza do povo é necessário ser príncipe, e para conhecer a natureza dos príncipes é necessário ser do povo.


Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Atuo há mais de vinte anos como headhunter e em projetos de desenvolvimento de lideranças e carreiras com executivos e profissionais especializados.


A ilusão da egolatria: você sabe com quem está falando?

Episódios de pessoas que se julgam superiores e acima da lei, infelizmente têm se tornado comuns na sociedade brasileira.


O rádio, a TV e a “live”

Os brasileiros de média (ou avançada) idade, viveram no tempo em que o rádio era o todo poderoso meio de comunicação.


Tão próximos e tão distantes

Não há dúvidas de que a internet mudou a realidade da maior parte do mundo.


Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…


Criptomoedas: O dinheiro do futuro ou o futuro do dinheiro?

Seja qual for futuro dos meios de pagamento, fato é: não podemos desprezar que as criptomoedas mudaram a maneira com que nos relacionamos com o dinheiro.


A polêmica nota de R$200,00

No dia 29 de julho de 2020, foi anunciado pelo Banco Central (BACEN) que, em agosto, será colocada em circulação a nota de R$200,00, que incorporará a imagem do lobo-guará.


Recalibrando sua estratégia de prevenção de fraudes para a nova realidade

Tal qual um automóvel, a detecção de transações criminosas em uma organização deve passar por revisões periódicas para aumentar sua eficiência.


Em tempos de pandemia, gestão de pessoas não é conversa, é ciência

Sou um curioso da gestão de pessoas. Ao longo desses anos como gestor, aprendi muito com os profissionais de recursos humanos com quem tive a honra de trabalhar.