Portal O Debate
Grupo WhatsApp

No Brasil, todos são brasileiros

No Brasil, todos são brasileiros

29/10/2008 Divulgação

Os índios habitaram as Américas muito antes da chegada dos espanhóis ao continente, tendo à frente descobridores como Américo Vespúcio, Cristóvão Colombo e outros. Como acontece em todo entrechoque de civilizações, foi muito caro o preço pago por eles em bens e vidas humanas. O caso dos índios Tamoios, dizimados no Brasil, não foi diferente de muitos outros espalhados pelo Novo Mundo.

Decorridos vários séculos da chegada dos europeus ao novo Continente, várias iniciativas vêm procurando curar as feridas do passado e ressarcir os índios – os donos originais dos territórios – e descendentes de escravos – igualmente violentados por longos anos de cativeiro.


Infelizmente, embora a consciência contemporânea se preocupe em corrigir injustiças do passado, muito do que se fez não pode mais ser mudado. Cabem, entretanto, correções e reparações capazes de fazer justiça aos que foram prejudicados. No caso das populações indígenas, não há dúvida de que elas têm o direito à demarcação de suas terras e à proteção contra a violência dos que insistem em desrespeitar o seu território.


Aos descendentes de escravos africanos há que se permitir, mediante políticas afirmativas, compensação pelos prejuízos sofridos mas, em todos os casos, há de prevalecer o bom senso. Por outro  lado, em nenhum momento pode ser colocada em jogo a soberania nacional, como vem acontecendo em protocolos originados em gabinetes da Organização das Nações Unidas, no caso dos indígenas. Os direitos dos índios brasileiros devem ser respeitados da mesma forma que os de seus irmãos dos países das Três Américas e dos outros continentes, mas a soberania dos países é intocável.


Do mesmo modo que a ONU não ousaria propor a criação de uma nação indígena autônoma dentro dos territórios brasileiros ou dos Estados Unidos da América, da Austrália, ou de outros países, não aceitamos que ele se proponha a esse tipo de situação no Brasil. Aqui, todos são brasileiros e como tais, devem ser respeitados.



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.