Portal O Debate
Grupo WhatsApp


No reino das delicadezas

No reino das delicadezas

14/02/2018 Oscar D'Ambrosio

As sutilezas podem estar se perdendo num cotidiano marcado pelas soluções baseadas em pesquisas quantitativas.

As pequenas delicadezas e soluções rápidas são muitas vezes baseadas apenas e simplesmente na intuição de que um determinado caminho é o que deve ser seguido.

Talvez a margem de erro aumente, mas o resultado final obtido maravilha justamente pela sua espontaneidade e pelo belo de saber fazer bem, rápido e com a convicção de que se está tomando a direção certa. Muitas vezes esse procedimento contraria a lógica, mas, por isso mesmo, instaura a sua própria forma de pensar, renovada a cada instante.

É tudo isso que pode ser visto no vídeo postado em https://deficienteeficientesite.wordpress.com/…/paradas-do…/. Temos ali um grupo de dançarinos que tornam uma aparente deficiência em eficiência.

De improviso, sem um estudo prévio da situação, o líder do grupo ajustou os passos, deixando de lado o movimento das pernas, para que a responsável pelo blog pudesse participar da coreografia com o uso do tronco e dos braços. Essa é a autêntica eficiência:a do uso rápido da mente que pode tornar todo impossível em possível.

* Oscar D’Ambrosio, jornalista, mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, é doutor em Educação, Arte e História da Cultura.



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.