Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Noé: o êxito de um pessimista

Noé: o êxito de um pessimista

27/04/2018 José Pio Martins

Diz a lenda que Noé salvou a si, sua família e os animais escolhidos por causa de seu pessimismo.

Jorge Paulo Lehman, o homem mais rico do Brasil e um dos mais ricos do mundo, foi perguntado se era pessimista ou otimista em relação à economia e às possibilidades do país. Ele respondeu: “Prefiro ser otimista. Não conheço muitos pessimistas bem-sucedidos”.

De fato, as pessoas pessimistas, sempre descrentes de tudo e de todos, acabam se tornando chatas, indesejáveis e, muitas vezes, incapazes de realizar qualquer obra por descrença no sucesso. Os extremos – ser eternamente pessimista ou ser sempre otimista – são ambos irracionais.

O sujeito que é negativista, pessimista em tudo e descrente de tudo, opina e age mais em função de seu estado de melancolia interior do que em razão dos dados e fatos da realidade em questão. O contrário, aquele sujeito que acha tudo uma maravilha e não vê o mal em nada, é apenas um ingênuo acometido da “síndrome de Pollyanna”.

Em 1913, a escritora Eleanor H. Porter publicou um romance intitulado Pollyanna, que acabou se tornando um clássico da literatura infanto-juvenil. Nele, uma menina de 11 anos deixa sua cidade, após a morte de seu pai, um missionário pobre, para ir morar com uma tia rica e severa.

A menina Pollyanna passa a ensinar às pessoas o “jogo do contente”, que seu pai lhe ensinara e consiste em procurar extrair algo de bom e positivo de tudo, incluindo dos eventos mais desagradáveis da vida.

A autora era presbiteriana e usava o jogo em seu trabalho de evangelização cristã, para ensinar que as pessoas devem cultivar a felicidade, o amor e o bem, mesmo nas situações mais adversas. É uma mensagem bonita, mas, se levada ao extremo, deixa a pessoa ingênua e de certa forma indefesa diante dos males que há no mundo.

Já o pessimismo pode ser apenas a constatação de um mal real ou a identificação correta dos defeitos do objeto analisado. Em se tratando de um empreendedor, cuja decisão de investimento depende de conhecer o real quadro político e econômico do país, a arte de identificar os problemas e os males do sistema não é pessimismo, é realismo para que não se tomem decisões erradas, cujo resultado pode ser a falência.

O otimismo de que falava o empresário Jorge Paulo Lehman diz respeito muito mais à atitude arrojada de quem se dispõe a correr riscos calculados em ambiente de incerteza do que atitude ingênua de ver qualidades onde elas não existem. Lehman não é nem nunca foi uma Pollyanna ingênua.

Se fosse, ele jamais chegaria ao posto de homem mais rico do Brasil e empresário que, com seus sócios, está conquistando o mundo e adquirindo empresas gigantes até nos Estados Unidos. Já circulou por aí que, após seu grupo comprar empresas icônicas naquele país, Lehman e seus sócios estão de olho na compra da Coca-Cola.

A ousadia deles pode ser tachada de otimismo, mas não há dúvida de que suas decisões serão duras, lógicas e realistas. Noé se safou após o dilúvio por uma simples razão: ele resolveu acreditar no anúncio de Deus sobre a gigantesca tempestade e, com seu pessimismo, dedicou-se a construir uma arca no deserto, sob o olhar crítico daqueles que diziam que ele estava louco.

Eles viviam numa região desértica, onde podia acontecer tudo, menos um dilúvio capaz de fazer a Terra sumir debaixo das águas. Diz a lenda que Noé salvou a si, sua família e os animais escolhidos por causa de seu enorme pessimismo. Muitas vezes, aquilo que chamam de pessimismo é apenas realismo sensato e lógico.

Ser otimista como um jeito de viver, com alegria no coração e vontade de agir, é uma coisa. Não acreditar nos demônios e no mal, mesmo quando estão diante de nós, é outra coisa: é ingenuidade.

Estamos vivendo algo similar no Brasil, sobretudo em relação à corrupção. Uns acreditam que todos são corruptos, outros acreditam que ninguém é (sobretudo se forem de sua ideologia). Os dois lados estão equivocados.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa