Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Nosso Futuro é Agro

Nosso Futuro é Agro

04/10/2018 J. A. Puppio

O Brasil ficou muito atrás de vários países em tecnologia: Coreia, Japão, Alemanha, frança e USA.

Não temos capital para acompanhar estes países. Mas sabemos bem que qualquer destes países muito adiantados em tecnologia não possui algo que o Brasil tem que é a extensão de terras agriculturáveis.

O nosso mundo vem ano a ano crescendo em população e para isto existe a necessidade de alimentá-los. Dentro dessa premissa, incluímos não só alimentos para seres humanos, bem como produtos para as necessidades básicas de todos.

Vamos colocar alguns exemplos aqui para podermos entender: enquanto qualquer país que já tenha adquirido excelente grau tecnológico necessita de papel e esse item é derivado de madeira, temos que estabelecer uma comparação: enquanto que uma madeira na região norte do planeta onde estão Alemanha, USA, França, Japão, Coreia para ser colhida precisa de 20 anos, em nosso país a madeira para celulose somente precisa de 8 anos e imaginem nossa extensão territorial comparada a estes países.

Hoje o Brasil já é referência mundial em celulose, mas poderíamos ser 10 vezes mais competitivos se tivéssemos um governo preocupada com a sua indútria. Poderíamos abastecer o mundo não só com celulose, mas também com papel, assim criaríamos mais ou menos 10 milhões de empregos com um planejamento de 5 a 6 anos.

Hoje o Brasil produz 180 milhões de toneladas de soja, isto sem estradas, sem ferrovias e sem rodovias, se houvesse um bom governo, onde ao invés de roubar o dinheiro publico tivesse uma administração de planejamento, sem propinas, sem roubalheiras, temos a certeza de que poderíamos chegar em poucos anos a 400 milhões de toneladas de soja e teríamos 40% do comércio mundial de grãos usando o mesmo caminho.

Podemos exemplificar ainda mais quando verificamos a carência de países que não apresentam uma independência em combustíveis e estão a procura de combustíveis não poluentes. Nosso país é o único do planeta terra que pode suprir grande parte desta necessidade, pois temos terra e tecnologia para plantar e produzir etanol, sendo este para atender o nosso consumo e para exportação. Precisamos somente de planejamento e seriedade para estarmos num sistema de pleno emprego em poucos anos.

Isso tudo mostra como para o Brasil nada é tão difícil de melhorar, uma vez que temos recursos naturais e terras agricultáveis, além de tecnologia de ponta. O que nos falta no momento é um plano de governo que priorize os brasileiros e a indústria instalada capaz de gerar empregos e que conduza o País apenas com coragem e seriedade.

* J.A.Puppio é engenheiro, empresário e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.

Fonte: Vervi Assessoria



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.