Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Novas tecnologias estimulam gestão ativa dos imóveis

Novas tecnologias estimulam gestão ativa dos imóveis

03/04/2018 Ricardo Molina

O fenômeno da economia compartilhada e as novas tecnologias têm mudado o setor de turismo.

A gestão ativa do patrimônio se populariza cada vez mais entre investidores e jovens que assumem a administração dos bens de suas famílias. No segmento de locação de imóveis, a tendência é deixar de lado corretoras e administradoras e fazer as ofertas por contra própria.

O movimento faz com que meios alternativos, como apps voltados à hospedagem, cresçam significativamente. O maior exemplo é o Airbnb que, com pouco tempo no mercado, tornou-se a maior rede de hospedagem do mundo, tanto em número de quartos e imóveis ofertados quanto em valor de mercado.

No total, a empresa conta com 4,5 milhões de lugares para hospedagem em 81 mil cidades, todos terceirizados. Dentro do fenômeno atual, a companhia consolidou-se como o Uber do turismo. Ferramentas do gênero se proliferam e facilitam a nova postura de quem possuí imóveis e busca destiná-los à locação.

A rentabilidade média de casas para alugar por temporada cresce significativamente sem a intermediação de especialistas. O uso da tecnologia proporciona que um imóvel de temporada em Orlando, um dos mercados mais aquecidos nos Estados Unidos, renda cerca de 9% ao ano em dólares, percentual bem superior ao da taxa básica de juros brasileira (6,75%).

Sem o auxílio deste tipo de app, nem grandes imóveis comerciais em regiões privilegiadas da Flórida proporcionam ganhos semelhantes. Os aplicativos facilitam a gestão própria, permitindo, por exemplo, que o proprietário feche a locação de seu imóvel mesmo estando em outro país.

Porém, esse tipo de administração exige uma mudança de postura, já que quem aluga negocia mais vezes. Valores e prazos de pagamentos, entre outros, passam a ser mais flexíveis, o que, além de agradar aos inquilinos, reduz os períodos de vacância dos imóveis, elevando sua rentabilidade.

É o contrário do que ocorre na gestão passiva, quando uma administradora é contratada para alugar o imóvel, o que deixa o proprietário pouco à vontade para negociar com os inquilinos. No momento da elaboração do contrato, são definidos os parâmetros do valor do aluguel e forma de pagamento.

Portanto, o corretor fica engessado para negociar e teme que, ao dar descontos fora do acordado, destrua a relação de confiança. A economia compartilhada quebra barreiras e, em pouco tempo, tornará a hospedagem alternativa mais utilizada que a convencional.

Da mesma forma que o Uber e outros aplicativos vêm tomando espaço dos tradicionais meios de transporte, o Airbnb e seus concorrentes tornaram possível a negociação direta entre proprietários e inquilinos, fortalecendo as relações interpessoais e facilitando a negociação.

* Ricardo Molina é CEO da Talent Realty.

Fonte: Compliance Comunicação



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.