Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Novo cangaço, velhas soluções

Novo cangaço, velhas soluções

22/12/2020 Luiza Veronese Lacava

Assaltos cinematográficos ao estilo do ocorrido na cidade de Criciúma (SC) na madrugada de 1º de dezembro corrente têm um apelido: Novo Cangaço.

Em geral são sofisticadamente planejados, contam com a participação de número grande de pessoas atuando de forma coordenada em várias frentes, envolvem armamento de guerra e são pensados para desestabilizar as pequenas e médias cidades onde ocorrem, deixando pouca ou nenhuma chance para as forças policiais locais.

Mas se até o cangaço se modernizou, por que a resposta a essa modalidade de crime continua em moldes retrógrados?

Considerando um roubo que ocorreu no centro da cidade, envolveu diversos reféns, agentes públicos e privados, e armamento suficiente para derrubar aeronaves, a ausência de mortes no ataque em Criciúma é desfecho a ser comemorado.

Mas, no geral, não é assim. Basta ver o alto índice de mortalidade dos policiais rodoviários em serviço, proporcionalmente o maior entre todas as especialidades da Corporação, segundo dados coletados pelo major PM Hugo Araújo Santos, em tese de doutorado apresentada em 2019 no Centro de Altos Estudos de Segurança da Polícia Militar de São Paulo.

As mortes ocorrem principalmente ao se depararem, vulneráveis, em geral em inferioridade numérica em estradas afastadas, com quadrilhas fortemente armadas em fuga.

A solução, entretanto, não passa por elevar o poderio bélico das forças de segurança pública, mas sim, com o auxílio de tecnologia eficaz, diminuir ou mesmo impossibilitar o acesso ao proveito do crime: o dinheiro.

Uma solução simples e há anos implementada pelas empresas gerenciadoras de caixas eletrônicos e carros-fortes é o sistema de entintamento ou danificação das notas, que inutiliza as cédulas com produtos químicos permanentes quando o cofre é aberto à força.

Campanhas educativas promovidas pelo Banco Central orientam população e comerciantes a não aceitarem notas tingidas ou deformadas e a comunicarem o acontecimento às autoridades, que podem, a partir daí, rastrear a origem do dinheiro até as organizações criminosas.

A implementação desta tecnologia, aliada a outras como geradores de neblina e cofres com blindagem especial, foram responsáveis pela queda drástica nos crimes de explosão de caixas eletrônicos das empresas que as adotaram, chegando a acabar com a ocorrência deste tipo de crime em países da Europa.

Especialistas em segurança calculam que roubos desta magnitude custam para as quadrilhas cerca de 1 milhão de reais em insumos e planejamento. Como em todo investimento, as aplicações diminuem à medida que o retorno se torna mais incerto.

Em complemento à tecnologia, é preciso dar prioridade às ações de inteligência. Assaltos como os dos aeroportos de Viracopos e Cumbica em 2019 apenas foram possíveis devido ao vazamento de informações estratégicas dos sistemas de segurança.

Operações criminosas desta magnitude, por outro lado, são planejadas ao longo de meses e deixam rastros que podem ser identificados a partir da interceptação de comunicações de organizações criminosas; do compartilhamento de informações suspeitas e a maior integração entre setores da polícia; da atuação de agentes infiltrados e, principalmente, do rastreamento de armamento ilegal.

Fuzis e metralhadoras utilizados em ataques deste porte são de uso exclusivo do Exército brasileiro, e devem ser rastreados e apreendidos seguindo-se as diretrizes previstas no Estatuto do Desarmamento.

Além disso, relatórios internos do segmento de transporte de valores apontam que grande parte dos explosivos utilizados em crimes é contrabandeada da atividade de exploração mineral.

A apreensão de explosivos clandestinos constituiria, portanto, fator de prevenção de crimes com alto potencial lesivo. Pensar em segurança pública é atividade majoritariamente preventiva e apenas residualmente reativa.

Enxergar o aumento do poder de fogo das polícias como única ou principal solução para crimes complexos é um erro de estratégia que não podemos mais nos dar ao luxo de cometer, sob o risco de assumir ainda mais causalidades.

O cangaço pertence ao século XIX, mas a tecnologia para prevenir crimes não precisa ser a daquela época.

* Luiza Veronese Lacava é advogada, consultora de Relações Governamentais no Instituto de Estudos Estratégicos de Tecnologia e Ciclo do Numerário (ITCN), e mestranda em Direito e Desenvolvimento pela FGV-SP.

Fonte: Original 123 Comunicação



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.