Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Número da Vergonha!

Número da Vergonha!

30/11/2007 Pedro Cardoso da Costa

44.663, este foi o número oficial de assassinatos no Brasil em 2006, noticiado pelo articulista Diogo Mainardi na revista Veja de 31 de outubro de 2007.

Trata-se de um número que não pode ser esquecido, repetido, nem aproximado jamais. É incompreensível. É inaceitável. As autoridades brasileiras, como sempre, têm suas explicações, mas nada pode justificar, nem mesmo a tentativa. Fazem como o presidente da Confederação Brasileira de Futebol ao justificar a violência brasileira em função da existência em outros países. Uma comparação absolutamente descabida, pois não se pode comparar coisas incomparáveis. Outra argumentação fajuta é de que não se pode colocar um policial em cada esquina. Para embasar, não citam em quais cidades têm um policial em cada esquina, dados os índices ínfimos de assassinatos perto dessa matança deliberada.

 

Esse artigo menciona que o número de assassinatos na guerra do Iraque foi de 18655. No Iraque existe uma guerra declarada que preocupa o mundo todo, mesmo com menos da metade de assassinatos ocorridos na mais plena paz brasileira. A grande dificuldade é fazer a população brasileira perceber e combater a mais sangrenta guerra civil da história mundial.

 

Todos os dias as televisões mostram assassinatos e não comove mais a população. O divertimento atual é torrar pessoas vivas. Primeiro foi uma família inteira e, Bragança Paulista, inteiro de São Paulo; depois, um ônibus no Rio de Janeiro. Precisou a massa encefálica de uma criança ser derramada nas ruas para comover virtualmente as pessoas. Não passou de protestos escritos. Em qualquer outro país uma guerra seria encerrada com um episódio dessa natureza, por ser encarado como limite de atos desumanos.

 

Além disso, os boys deste país se divertem em tirar vidas com suas máquinas motorizadas. Uma família com cinco pessoas no interior de São Paulo e outras três em Belo Horizonte são exemplos recentes de vidas ceifadas no entretenimento dos mauricinhos. Todas as vidas ao custo de alguns reais para que os assassinos riam na cara dos sofridos indefesos. E a medida mais dura do estado brasileiro é culpar as vítimas ou no máximo as leis, criadas exatamente pelos seus representantes. Mas as mais comuns são: não andar à noite, não parar o carro nos semáforos, não tirar dinheiro em banco, não abrir a porta para o entregador de pizzas...não...não...não...

 

Tudo pago com desnutridas cestas básicas. Precisa ser revelado o número de assassinatos e de mortos no trânsito ao final do governo Lula. Se alguma autoridade fosse ouvida sobre seus próprios números, camuflados sabe-se lá em quanto, diria que se trata apenas de comentários de um pessimista nato.

 

Esta meia centena de assassinatos fechou no mês de dezembro de 2006, um mês após a Veja São Paulo de 15 de novembro de 2006 estampar na sua capa a queda de homicídios em 52% na mais populosa cidade do país.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP

Bel. Direito



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.