Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Número da Vergonha!

Número da Vergonha!

30/11/2007 Pedro Cardoso da Costa

44.663, este foi o número oficial de assassinatos no Brasil em 2006, noticiado pelo articulista Diogo Mainardi na revista Veja de 31 de outubro de 2007.

Trata-se de um número que não pode ser esquecido, repetido, nem aproximado jamais. É incompreensível. É inaceitável. As autoridades brasileiras, como sempre, têm suas explicações, mas nada pode justificar, nem mesmo a tentativa. Fazem como o presidente da Confederação Brasileira de Futebol ao justificar a violência brasileira em função da existência em outros países. Uma comparação absolutamente descabida, pois não se pode comparar coisas incomparáveis. Outra argumentação fajuta é de que não se pode colocar um policial em cada esquina. Para embasar, não citam em quais cidades têm um policial em cada esquina, dados os índices ínfimos de assassinatos perto dessa matança deliberada.

 

Esse artigo menciona que o número de assassinatos na guerra do Iraque foi de 18655. No Iraque existe uma guerra declarada que preocupa o mundo todo, mesmo com menos da metade de assassinatos ocorridos na mais plena paz brasileira. A grande dificuldade é fazer a população brasileira perceber e combater a mais sangrenta guerra civil da história mundial.

 

Todos os dias as televisões mostram assassinatos e não comove mais a população. O divertimento atual é torrar pessoas vivas. Primeiro foi uma família inteira e, Bragança Paulista, inteiro de São Paulo; depois, um ônibus no Rio de Janeiro. Precisou a massa encefálica de uma criança ser derramada nas ruas para comover virtualmente as pessoas. Não passou de protestos escritos. Em qualquer outro país uma guerra seria encerrada com um episódio dessa natureza, por ser encarado como limite de atos desumanos.

 

Além disso, os boys deste país se divertem em tirar vidas com suas máquinas motorizadas. Uma família com cinco pessoas no interior de São Paulo e outras três em Belo Horizonte são exemplos recentes de vidas ceifadas no entretenimento dos mauricinhos. Todas as vidas ao custo de alguns reais para que os assassinos riam na cara dos sofridos indefesos. E a medida mais dura do estado brasileiro é culpar as vítimas ou no máximo as leis, criadas exatamente pelos seus representantes. Mas as mais comuns são: não andar à noite, não parar o carro nos semáforos, não tirar dinheiro em banco, não abrir a porta para o entregador de pizzas...não...não...não...

 

Tudo pago com desnutridas cestas básicas. Precisa ser revelado o número de assassinatos e de mortos no trânsito ao final do governo Lula. Se alguma autoridade fosse ouvida sobre seus próprios números, camuflados sabe-se lá em quanto, diria que se trata apenas de comentários de um pessimista nato.

 

Esta meia centena de assassinatos fechou no mês de dezembro de 2006, um mês após a Veja São Paulo de 15 de novembro de 2006 estampar na sua capa a queda de homicídios em 52% na mais populosa cidade do país.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP

Bel. Direito



Viver não custa…

Meses depois de ter casado, na Igreja, fui viver para andar de prédio, que ficava nos subúrbios da minha cidade.


Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.