Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Airbus não freou

O Airbus não freou

24/11/2008 Dirceu Cardoso Gonçalves

O laudo que tecnicamente aponta a TAM, a Anac, a Infraero e a Airbus, como responsáveis pelo maior acidente aéreo do país, que matou 199 pessoas, no aeroporto de Congonhas, deve ser encarado com toda seriedade como importante obra investigativa e não como peça final de julgamento.

Seus dados, embora contraditórios a uma verificação anterior do próprio instituto, jamais poderão servir para favorecer a impunidade dos culpados e, muito menos, para retardar medidas que tragam mais segurança à aviação comercial. O Ministério Público está preparado para denunciar pelo menos 10 pessoas – entre elas autoridades do setor – por ações e omissões que no seu conjunto não impediram a tragédia. A nação espera que cada um pague na justa medida de sua falha e que o residual seja muito mais didático do que punitivo. O levantamento pericial acusa a Anac de não observar normas de segurança para a operação em Congonhas, a Infraero de não controlar devidamente a operação e a TAM e a Airbus de não criarem condições de treinamento e equipamento para evitar que os pilotos, estressados, pudessem posicionar os manetes incorretamente conforme o constatado na pericia.

Lamentavelmente, não há nada a fazer em relação à quase duas centenas de mortos. Espera-se apenas que as entidades e empresas envolvidas amparem suas famílias e façam a melhor reparação material possível, já que a vida não tem retorno. Mas há que se trabalhar sério para prevenir outras tragédias com as mesmas características. Mais do que a policia e a justiça, as autoridades aeronáuticas e o próprio governo precisam encontrar respostas conclusivas e convincentes para cada detalhe do ocorrido na fatídica noite de 17 de julho. Independentemente de ter ou não a quem punir, é preciso saber e responder com absoluta certeza os motivos que levaram o Airbus a não frenar quando tocou a pista e a espatifar-se no terminal de cargas. Interessa a todos os usuários do transporte, inclusive às suas operadoras, saber exatamente onde se deu o “furo” do vôo 3054 e ter a certeza de que providências foram tomadas para evitar sua repetição.

Num país de dimensões continentais como o Brasil, a aviação comercial é um importante braço da atividade econômica. Executivos, comerciantes, técnicos e toda espécie de profissionais movimentam-se preferencialmente de avião. O mesmo ocorre, cada dia mais, com as cargas de manufaturados e outros produtos de elevado valor agregado. Um setor com essa responsabilidade não pode ser negligenciado em nenhuma hipótese. E recursos para isso possuímos pois, além da Força Aérea, ainda temos centros avançados de estudos e uma indústria aeronáutica que compete com as melhores do mundo. Basta alinhar todos os recursos na mesma direção e teremos, sem demora, as respostas para as perguntas que tanto nos intrigam. Esses centros de excelência, com certeza, irão ao cerne da questão, revelando por quê o Airbus não freou. A partir daí, formularão as novas questão decorrentes, e tudo se esclarecerá. O passado deve ser reparado da melhor forma. Mas, a grande tarefa é prevenir para o futuro...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – diretor da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?