Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O amor desconectado em tempos líquidos

O amor desconectado em tempos líquidos

02/09/2016 Marcelo Mourão

As únicas certezas que esse nosso mundo contemporâneo nos traz são justamente as suas várias incertezas e interrogações.

Hoje em dia, os sentimentos e as relações humanas se situam também mergulhados, de maneira inevitável, nesse mar de inseguranças.

E apresentam um grau de instabilidade tal que muitos pensadores já anexaram aos mais diversos tipos de afetos e relacionamentos o adjetivo “líquido”, devido mesmo a essa imensa fluidez e às vertiginosas velocidades com que eles surgem e se vão.

Relacionar-se, nesses nossos tempos, é como trafegar numa espessa neblina, sem qualquer noção de onde se vai chegar e até quando essa jornada irá durar. O mundo virtual é o retrato mais exato destes tempos em que “nada é feito para durar” e a rapidez do deletar é bem maior do que as velocidades da compreensão, da tolerância e da convivência.

Não há mais qualquer necessidade de se ter calma e paciência com as imperfeições alheias. As pessoas estão dando maior preferência a relacionamentos em “rede”, que podem ser desmanchados a qualquer momento. Tratam-se entre si como bens de consumo, ou seja, caso apareçam defeitos, nas relações e/ou nas pessoas envolvidas nestas, descartam-se e trocam-se por outros humanos, talvez, em "versões melhoradas".

Há ainda, por outro lado, os chamados “relacionamentos de bolso”, do tipo que se usa quando é necessário, não havendo necessidade do seu descarte total. Quando a sua utilização alcança certos fins, guarda-se para ser empregado numa outra ocasião, sem qualquer vínculo ou compromisso maior.

Agora transfigurado, o amor autêntico, exatamente como ocorre com qualquer tipo de mercadoria em sociedades de consumo, passou por um processo tal de massificação e vulgarização que acabou promovendo o aparecimento de uma série de sentimentos instantâneos e fugazes.

Rapidamente, as pessoas já se declaram amando outras que conheceram há tão poucos dias. A palavra “amor”, aos poucos, foi perdendo os seus significados e a sua profundidade e é usada banalmente entre pessoas que mal se conhecem de fato.

Hoje em dia, dizer “eu te amo” caiu no mesmo automatismo e trivialidade de se dizer um simples “bom-dia”. As pessoas, pelo que se tem visto por aí, não parecem saber direito o que sentem, nem conseguem definir sequer as diferenças entre amor e paixão, por exemplo; mas, mesmo assim, utilizam-se destas palavras, que perderam, visivelmente, as suas importâncias e sentidos.

* Marcelo Mourão é poeta, escritor, crítico literário e produtor cultural.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa