Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Amor em Primeiro Lugar

O Amor em Primeiro Lugar

22/12/2018 Paulo Eduardo de Barros Fonseca

Porque a humanidade se permite envolver-se num sentimento de união e fraternidade, a atmosfera do planeta se altera para melhor.

O Natal, mais do que simplesmente uma data, renova na humanidade a centelha divina do amor e gera um estado de espírito que, independentemente de qualquer outra circunstância, inclusive religiosa, alcança toda humanidade.

Como que envolvido por um sentimento mágico o homem se conecta com o amor, que está em toda parte, fazendo fluir essa energia simplesmente ao oferecê-la ao seu semelhante.

A atmosfera do planeta se altera para melhor porque reina o sentimento de fraternidade! E este momento propicia a reflexão no sentido de que “apesar das dificuldades, das asperezas do mundo, os homens procurando fazer dos ensinamentos de Jesus a sua diretriz, a despeito de tudo, serão sempre amparados, pois caminham com fé para o reino da Verdade!” (A Diretriz, Irmão Alpe, psicografia Tereza de Barros Fonseca - 19/10/1999, Casa de Estudos Espírita Dr. Alberto Seabra).

Ora, o ponto de equilíbrio de qualquer pessoa está nas lições éticas, morais e espirituais deixadas por Jesus, que exemplificou a maneira de como devemos viver e anunciou que a Lei e os profetas estão resumidos nos mandamentos: “Amar ao próximo como a si mesmo e a Deus sobre todas as coisas” (Mateus 22:37-39).

Como disse Emmanuel, cujo significado é: Deus está no conosco: “É por isso que o Natal não é apenas a promessa da fraternidade e da paz que se renova alegremente, entre os homens, mas, acima de tudo, é a reiterada mensagem do Cristo que nos induz a servir sempre, compreendendo que o mundo pode mostrar deficiências e imperfeições, trevas e chagas, mas que é nosso dever amá-lo e ajudá-lo mesmo assim”.

Por isso, ainda lembrado de Emanuel, o “Irmão, que ouve no Natal os ecos suaves do cântico milagroso dos anjos, recorda que o Mestre veio até nós para que nos amemos uns aos outros. Natal! Boa Nova! Boa Vontade!” (Emanuel, psicografia Chico Xavier, Fonte Viva, lição 180).

Para que a mensagem evangélica de Jesus e o sentimento do Natal sejam uma constante em nossas vidas, em qualquer situação e todos os dias, devemos buscar a autoconscientização e a comunhão com os valores do Bem, bem como compreender que ajudamos na construção da fraternidade universal quando trazemos dentro nós a certeza de que o Amor está em primeiro lugar.

Que todos os dias seja Natal...

* Paulo Eduardo de Barros Fonseca é Vice-Presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.