Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O antagonismo da tecnologia no mercado financeiro

O antagonismo da tecnologia no mercado financeiro

07/04/2021 Luiz Fernando Schvartzman

A tecnologia não é mais o privilégio de alguns, mas a necessidade de todos.

Desde o pequeno mercadinho do bairro, com um sistema para controle de estoque, caixa e pagamento, até na fazenda com modernos aplicativos e sistemas para entender sobre chuvas, plantações, pragas e remédios, ninguém mais está alheio à tecnologia. Tudo isso abriu um mundo de oportunidades. 

Todos os antigos negócios, setores e empresas podem ser “recriadas” utilizando tecnologia. Seja mudando processos, incluindo facilidades para seus clientes ou até mesmo na oferta de novos produtos e serviços.

Mas tudo isso tem seus pontos positivos e negativos. Praticamente, de alguma forma, todos os mercados estão sob influência da tecnologia e o financeiro não é diferente.

Recentemente, o Banco Central instituiu o PIX, que permite transações instantâneas e imediatas de forma muito simples. Ainda assim demorou.

Até pouco tempo atrás (menos de 1 ano) não era possível fazer uma transferência online depois das 18hrs, teria que ser programado para o dia seguinte.

Ora, mas se é online, será que os robôs dos bancos estão descansando neste horário? Não fazia muito sentido!

Os aplicativos e o internet banking evoluíram muito, possibilitando aos usuários realizar diversas atividades sem precisar comparecer às agências conversar com seu gerente e ter mais clareza sobre suas informações financeiras.

Mas, por outro lado, o excesso de liberdade e pesos diferentes podem levar o consumidor a um caminho prejudicial.

É muito fácil tomar crédito, mas difícil saber se realmente era necessário. É muito simples cair no cheque especial e contrair altas dívidas, basta gastar mais do que seu saldo.

Porém, existem poucos mecanismos para ajudar a sair das dívidas. Investir tem sido cada vez mais fácil, entretanto, entender as taxas e resgatar um investimento ou uma previdência privada nem sempre é tão simples.

Se, por um lado, a tecnologia facilitou os trâmites de diversas atividades corriqueiras, por outro, estimulou o descontrole e consumo por impulso.

Muitas empresas utilizam de artimanhas tecnológicas para induzir seus clientes a tomar decisões que beneficiam a empresa, indo, inclusive, na direção contrária ao que realmente seja bom para o cliente.

O Open Banking é um enorme passo na qualidade e justiça aos clientes. Afinal, a iniciativa permitirá o compartilhamento de dados e serviços de clientes entre instituições financeiras com a permissão e consentimento do mesmo.

Desta forma, as instituições financeiras terão que ser mais justas e honestas, pois os clientes poderão buscar novas informações e decisões mais assertivas, privilegiando a concorrência e, sobretudo, o benefício do cliente.

Poucas empresas têm a coragem de ser claras e oferecer a mesma oportunidade para o cliente dizer sim ou não. Mas isso está mudando e o Open Banking vai tornar isso ainda mais necessário.

A tecnologia deve ser justa e benéfica para todos. Diante deste cenário, as fintechs têm sido grandes aliadas para ajudar todas as demandas do mercado. Cada uma com a sua demanda, facilidade, tecnologia e objetivo.

O mercado está em constante evolução, assim como o ser humano, por isso, é importante entender e buscar soluções que façam sentido de acordo com a sua necessidade e finalidade.

* Luiz Fernando Schvartzman é CEO do Vista Fintech - CFP, administrador de empresas com especialização em Gestão de Negócios pela FDC.

Para mais informações sobre tecnologia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Sheep Comunicação



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.