Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O apagão da cidadania no setor elétrico

O apagão da cidadania no setor elétrico

23/07/2008 Divulgação

A palavra “apagão” se tornou constante para os consumidores nos últimos seis meses. Este fato demonstra o desrespeito pelos direitos da população.

Iluminação escassa, longas horas sem energia, atendimento precário e tarifas altas permanecem no cotidiano de milhões de pessoas. O sonho proposto pela privatização transformou-se em pesadelo. O Sindicato dos Eletricitários de São Paulo demonstrou para o Governo, por meio de publicações, manifestações e ações jurídicas, que a venda da estatal seria um erro. O alto preço pago pela energia, desemprego no setor e precarização do serviço, comprovam que a privatização foi um péssimo negócio para a sociedade. Não se trata de ser corporativista ou contrário ao capital privado, mas sim de cobrar o papel do Estado na garantia de um serviço essencial.

Um exemplo é o caso da ENERSUL (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul) que, em junho, foi multada pela Agepan (Agência de Regulação de Serviços Públicos) por manipular dados referentes à qualidade dos serviços prestados nos municípios atendidos no Mato Grosso do Sul. Desde 2002 a reguladora constatou irregularidades cometidas pela ENERSUL, que, apesar de notificada persistiu nesta prática. A empresa deveria ter revogada a concessão, os prejuízos ressarcidos e os culpados punidos. O caso mais emblemático, da política de redução da participação do Estado no setor elétrico, é a privatização da Eletropaulo.

A empresa era a maior de distribuição de energia da América Latina e tinha índices de qualidade compatíveis com o primeiro mundo. Em um processo de desverticalização reduziu o quadro de funcionários em mais da metade, de 22 mil para 10 mil empregados. Ano após ano a ganância por lucros cada vez maiores e a obsessão pela redução dos custos rendeu lucro líquido de R$ 712 milhões à empresa e diminuição da folha de pagamento bruta de mais de R$ 1 milhão, em 2006, para R$ 676.484 mil, em 2007. No último ano, a cada quilômetro da rede elétrica a empresa aplicou apenas R$ 2 mil em manutenção. Investimento irrisório e que transforma a rede em um barril de pólvoras. Contra esse descaso a direção do Sindicato elaborou relatório sobre a precariedade e os riscos da falta de manutenção.

O documento foi encaminhado, dentre outros órgãos, para a atual ARSESP (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo). Entretanto, as denúncias foram ignoradas. Dessa forma, percebemos que o mais grave dos apagões é o desrespeito pelos cidadãos. É dever das entidades governamentais cobrarem ações das empresas privadas. Essas ações demonstram que o compromisso com a cidadania não é prioridade da Eletropaulo e nem dos órgãos públicos.

*Carlos Alberto dos Reis é presidente do Sindicato dos Eletricitários do Estado de São Paulo.



Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.