Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O autoextermínio e os conflitos no contexto familiar

O autoextermínio e os conflitos no contexto familiar

05/10/2018 Silvana Cordeiro Felipetto

A prevenção é o maior redutor da possibilidade de autoextermínio.

Quando os pais planejam ter filho, muita expectativa se cria acerca do futuro daquele ser que vem ao mundo. A vinda do bebê provoca nos pais e adultos próximos uma profunda ternura e respeito ao mistério da vida.

Passados alguns anos, muitas crianças, recebidas com essa bagagem de emoções, encontram dificuldades em entender e aceitar que aquelas pessoas em que desvelaram verdadeiro amor nos primeiros anos de vida, passaram a negligenciar e privá-los do carinho e proteção, o que resultará em sérios problemas psíquicos.

Dados estatísticos mostram que os filhos oriundos de lares desestruturados pela presença da violência, de abusos e toda forma de negligência, estão três vezes mais suscetíveis ao padecimento de instabilidades causadas por doenças emocionais, se comparados àqueles que convivem em uma estrutura familiar sólida.

O reflexo desta desestruturação está diretamente ligado ao fato de que é no ambiente familiar que o indivíduo desenvolve vínculos afetivos, além das normas de conduta e valor pessoal. A criação deste indivíduo sem os valores encontrados na convivência familiar não há parâmetros ao seu comportamento.

Segundo pesquisas desenvolvidas com jovens adolescentes cujos pais são divorciados, cerca de 85% deles afirmaram que sentiam falta das ocasiões em que estavam em contatos constantes com seus pais dentro de casa.

Algumas fontes estudadas mostram que os fatores familiares, incluindo psicopatologia dos pais; a história familiar de comportamento suicida; a discórdia familiar; as perdas dos pais por morte; ou a sensação de perda dos pais pelo divórcio, aliado ao estresse crônico são os maiores fatores de alterações na esfera social, relacionamentos, escolar, profissional e parental causando sequelas graves e muitas vezes irreversíveis.

A saída da mãe para o mercado de trabalho impôs a criação de novos papéis por parte dos integrantes do grupo familiar, aos quais foram modificados ao longo do tempo sem que houvesse uma preocupação quanto às consequências de desestruturação da entidade familiar.

O Estado, não se sabe por comodismo ou por interesse de seus respectivos governantes a qualquer destas situações, desenvolveu em sua nova ordem sua “identidade”, vez que passou a legislar e sancionar leis que favorecem a desagregação do modelo tradicional de família.

Esta jornada imprevisível nos mostra como a maioria dos adultos desconhece a fragilidade emocional e os traços que refletem as dores de uma criança ou adolescente. Neste sentido, o desenvolvimento de uma compreensão, baseada no diálogo, respeito e empatia de todos os envolvidos na criação desta criança, aliado aos conhecimentos dos profissionais de saúde e mediadores de conflitos, que promovem intervenções direcionadas, com foco na identificação deste comportamento na infância ou adolescência que gera o conflito, mostra-se fundamental no sentido de prevenir o autoextermínio infanto-juvenil.

Assim, a prevenção é o maior redutor da possibilidade de autoextermínio e deve ser debatido no contexto familiar estendendo à comunidade escolar, pois nela está o convite à transformação da nossa relação com a vida, a fim de trazer um significado maior para aqueles a quem nos confiaram o cuidado e amor nesta existência.

* Silvana Cordeiro Felipetto é advogada e mediadora do Instituto Alleanza.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.