Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O bom do futebol

O bom do futebol

11/04/2016 Henrique Ulhoa

A magia que envolve o futebol e o ato de ir a campo se divertir

Durante toda a semana o assunto era um só na cidade. Carros de som percorriam ruas e becos anunciando o grande jogo. Inserções nas rádios e na TV local convocavam a população. Torcedores e amantes do futebol não escondiam a ansiedade e a expectativa de um bom resultado do time da casa.

No dia do jogo, a resenha começou logo cedo. Na lanchonete dos ‘boleiros’ da cidade, as prosas se alternavam entre qual seria o placar do jogo, se o estádio ia ficar cheio e, se o juiz ia roubar muito ou pouco.

Com um sol daqueles de rachar mamona, o povo começou a chegar ao estádio no meio da tarde de sábado. Dia bom para pegar uma cachoeira e ficar debaixo de uma árvore qualquer. Mas, no entanto, a causa era nobre. Apoiar o time da cidade virou quase obrigação.

Disposto a fazer história, o Paracatu Futebol Clube, representante mineiro no Candangão 2016, o Campeonato Brasiliense da 1ª divisão, estava prestes a disputar o primeiro jogo das quarta-de-finais do torneio. Pela frente o Brasiliense.

O foguetório de dez minutos anunciava que a tarde seria quente. Quente pra caralho! Um copão de cerveja tomado desesperadamente ajudava a refrescar, no entanto, torrar a cara com o forte sol do noroeste mineiro fazia parte do pacote.

O acesso foi tranquilo, sem problemas para estacionar e risco zero de aparecer um flanelinha folgado. Vendedores facilitavam a compra dos ingressos ali mesmo entre os carros e a rua. Entrada com baculejo, e aos poucos o Estádio Frei Norberto, o campo do União, foi se enchendo. Camisas de muitos clubes estampavam a paixão de cada um, mas o uniforme branco do ‘Águia do Noroeste’ era o favorito entre os torcedores. No alto da arquibancada um tarol e um surdo, tocados freneticamente, ditavam o ritmo da peleja.

Em campo, jogo equilibrado, com bola rolada no chão e boas chances para cada lado. Formados por jogadores jovens e de razoável qualidade, os times contam com figuras rodadas, como o zagueiro André Luiz e o lateral-direito Luizinho. O Brasiliense abriu o placar no finalzinho do 1º tempo. No 2º, o Paracatu jogou melhor, pressionou muito e acabou empatando o jogo para o delírio do estádio. “Uh! Uh! Paracatu!” “Uh! Uh! Paracatu!” O time da casa ainda teve um gol anulado. Fim de jogo e os sonoros aplausos à equipe e satíricos insultos ao trio de arbitragem.

Que tarde! Ai sim. Um jogo de futebol de verdade, na sua essência, como nas antigas. Nada de regrinhas e imposições dos novos estádios, ‘convertidos’ em arenas. Nada de fanatismo ou confusão. Jogo jogado, torcida vibrante, cerveja gelada, sol na cara, batuque empolgante e claro, gols.

Nos últimos anos, a magia que envolve o futebol e o ato de ir a campo se divertir, vem perdendo a graça. Acompanhar os grandes clubes atualmente tem sido muito custoso. Claro que o futebol profissional de alto nível necessitava e necessita de mudanças, no entanto, o esporte patrimônio nacional, vem se distanciando muito de suas origens, tanto dentro quanto fora de campo.

Voltar ao interior, após duas décadas na capital, vivendo intensamente o Mineirão em suas várias fases, fez com que o programa de sábado, no pequeno estádio da cidade, numa partida importante, mas sem holofotes e estrelas, resgatasse a alegria de acompanhar o bom e velho jogo de futebol. Apenas o bom do futebol.




Fé, Otimismo, Covid-19 e a Educação a Distância

Tenho por hábito escrever artigos para diversos periódicos do país, seja da web ou de folhas, motivado por uma indignação jurídica (crítica ou não) sobre determinado tema ou decisão judicial.


Mulher: uma conquista a cada dia

Entrada no mercado de trabalho, independência financeira, direito político, liberdade sexual. Essas são algumas conquistas da mulher moderna.


Tributar super-ricos garante auxílio emergencial sem condicionantes

Governo faz chantagem ao condicionar renda emergencial à retirada de percentual mínimo de investimento em saúde e educação nas três esferas de governo.


Inteligência Emocional: aprendizado para a vida

A escola é o primeiro lugar onde se aprende a socializar fora do ambiente familiar, onde culturas e opiniões distintas dão início aos primeiros conflitos, é uma excelente oportunidade de aprendizado, tanto de frustrações, medo do novo e de mudanças quanto de troca de experiências.


D. Pedro II e a cidade do Porto

Sempre existiu amizade, entre os Imperadores e a população da cidade da Virgem; e desta, pelas terras de Vera Cruz, pois muitos foram os portuenses, que fizeram fortuna no Brasil.


Anywhere Office: a pandemia, rotina de trabalho e os nômades digitais

Desde 2007, quando Steve Jobs apresentou ao mundo o primeiro smartphone da maneira que conhecemos hoje, estamos passando por intensa transformação.


Prisão do deputado Daniel Silveira

A toda ação corresponde uma reação.


Exportações de minério de ferro cresceram 9% em janeiro

O mês de janeiro registrou uma alta de 9% na quantidade de minério de ferro exportado do Brasil para o exterior, tendo por comparação o mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Economia.


A dificuldade de cassar mandato político

A imoral prerrogativa constitucional que confere somente ao Congresso o poder de cassar o mandato de um parlamentar por cometimento de ilegalidade, à vista de qualquer cidadão de mediana cultura, constitui-se de medida irrazoável que fere o princípio da igualdade de tratamentos.


Ainda não nos preocupamos com o combate à pobreza

Um dos piores anos da história recente do país, 2020 também foi o ano em que a taxa de pobreza atingiu 8%, seu menor patamar em 44 anos.


Um ano de pandemia

A Covid-19 apareceu causando surpresa e aflição em todas as instâncias da sociedade, seja para a economia, a política, a educação, ou para as pessoas, no que se refere aos relacionamentos, sentimentos próprios, etc.


Como os paradigmas determinam nossos resultados

Você sabia que os nossos comportamentos habituais são moldados por paradigmas?