Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O bom do futebol

O bom do futebol

11/04/2016 Henrique Ulhoa

A magia que envolve o futebol e o ato de ir a campo se divertir

Durante toda a semana o assunto era um só na cidade. Carros de som percorriam ruas e becos anunciando o grande jogo. Inserções nas rádios e na TV local convocavam a população. Torcedores e amantes do futebol não escondiam a ansiedade e a expectativa de um bom resultado do time da casa.

No dia do jogo, a resenha começou logo cedo. Na lanchonete dos ‘boleiros’ da cidade, as prosas se alternavam entre qual seria o placar do jogo, se o estádio ia ficar cheio e, se o juiz ia roubar muito ou pouco.

Com um sol daqueles de rachar mamona, o povo começou a chegar ao estádio no meio da tarde de sábado. Dia bom para pegar uma cachoeira e ficar debaixo de uma árvore qualquer. Mas, no entanto, a causa era nobre. Apoiar o time da cidade virou quase obrigação.

Disposto a fazer história, o Paracatu Futebol Clube, representante mineiro no Candangão 2016, o Campeonato Brasiliense da 1ª divisão, estava prestes a disputar o primeiro jogo das quarta-de-finais do torneio. Pela frente o Brasiliense.

O foguetório de dez minutos anunciava que a tarde seria quente. Quente pra caralho! Um copão de cerveja tomado desesperadamente ajudava a refrescar, no entanto, torrar a cara com o forte sol do noroeste mineiro fazia parte do pacote.

O acesso foi tranquilo, sem problemas para estacionar e risco zero de aparecer um flanelinha folgado. Vendedores facilitavam a compra dos ingressos ali mesmo entre os carros e a rua. Entrada com baculejo, e aos poucos o Estádio Frei Norberto, o campo do União, foi se enchendo. Camisas de muitos clubes estampavam a paixão de cada um, mas o uniforme branco do ‘Águia do Noroeste’ era o favorito entre os torcedores. No alto da arquibancada um tarol e um surdo, tocados freneticamente, ditavam o ritmo da peleja.

Em campo, jogo equilibrado, com bola rolada no chão e boas chances para cada lado. Formados por jogadores jovens e de razoável qualidade, os times contam com figuras rodadas, como o zagueiro André Luiz e o lateral-direito Luizinho. O Brasiliense abriu o placar no finalzinho do 1º tempo. No 2º, o Paracatu jogou melhor, pressionou muito e acabou empatando o jogo para o delírio do estádio. “Uh! Uh! Paracatu!” “Uh! Uh! Paracatu!” O time da casa ainda teve um gol anulado. Fim de jogo e os sonoros aplausos à equipe e satíricos insultos ao trio de arbitragem.

Que tarde! Ai sim. Um jogo de futebol de verdade, na sua essência, como nas antigas. Nada de regrinhas e imposições dos novos estádios, ‘convertidos’ em arenas. Nada de fanatismo ou confusão. Jogo jogado, torcida vibrante, cerveja gelada, sol na cara, batuque empolgante e claro, gols.

Nos últimos anos, a magia que envolve o futebol e o ato de ir a campo se divertir, vem perdendo a graça. Acompanhar os grandes clubes atualmente tem sido muito custoso. Claro que o futebol profissional de alto nível necessitava e necessita de mudanças, no entanto, o esporte patrimônio nacional, vem se distanciando muito de suas origens, tanto dentro quanto fora de campo.

Voltar ao interior, após duas décadas na capital, vivendo intensamente o Mineirão em suas várias fases, fez com que o programa de sábado, no pequeno estádio da cidade, numa partida importante, mas sem holofotes e estrelas, resgatasse a alegria de acompanhar o bom e velho jogo de futebol. Apenas o bom do futebol.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa