Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Brasil deixou de ser “Emergente”?

O Brasil deixou de ser “Emergente”?

19/06/2013 Floriano de Lima Nascimento

No vocabulário político econômico internacional, o termo “emergente” é utilizado para designar países ainda não desenvolvidos, que lutam para atingir o melhor patamar sócio-econômico.

 É o tratamento que o Brasil e outros países pertencentes ao grupo dos “Brics” (Rússia, Índia, China e África do Sul) vêm recebendo na área internacional. Racionalizações como essa trazem vantagens e desvantagens: no primeiro caso, está a melhoria da imagem de um país diante de sua população, o que, em muitos casos, leva a uma melhoria no aumento no desempenho economico, com a conseqüente ampliação do leque de oportunidades e, no segundo, ao acesso a melhores oportunidades determinado pelo status não mais de “país emergente”, mas de potência econômica no pleno exercício de sua força.

Essa é uma notícia que deveria ter sido dada antes à população brasileira, mas não foi o que aconteceu; coube ao vice-presidente do Estados Unidos da América, Joe Biden, em visita ao país, a oportunidade de fazer o importante anúncio: “o Brasil não é mais um país emergente”, disse ele em entrevista à imprensa brasileira. “O Brasil emergiu, o mundo  já notou.” Ainda segundo o vice-presidente dos EUA, ele e o presidente Barack Obama acreditam que está surgindo uma nova era no relacionamento entre o gigante americano e o Brasil, sendo que nenhum parceiro é mais significativo nessa iniciativa do que o nosso país.” Por essa razão, a presidente Dilma Rousseff foi convidada a se reunir com Obama em outubro, na única visita de estado a acontecer em Washington no ano corrente.

Trata-se de um acontecimento memorável, que pode ser o início de uma era de ouro em nossa história, desde que o Brasil aproveite o reconhecimento internacional para aprofundar as políticas de desenvolvimento e consolidar as conquistas que têm sido comentadas fora do país. Mas, para tanto, é preciso fazer ajustes na economia, difundir a educação em todo o território nacional, eliminar os bolsões de miséria, erradicar a corrupção e diminuir decisivamente os índices de violência.

Se temos hoje uma imagem melhor no cenário internacional, isso se deve ao grande esforço realizado nos últimos anos, mas não podemos cair na armadilha de supor que já fizemos todo o exercício de casa. Há que perseverar na expansão da economia, com a criação de mais empregos e melhoria dos salários. É preciso também avançar nas políticas sociais, investir pesado na educação e reduzir drasticamente os níveis de violência. É o preço a pagar pelo progresso.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.