Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

26/05/2020 Bady Curi Neto

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.

Pessoalmente, acho apenas um discurso retórico da oposição, sem fundamento, constituído por um raciocínio persuasivo, mas falso, verdadeira falácia. Não há clima para golpe Militar, as instituições (mal ou bem) estão funcionando.

Em passado recente, vivenciamos, por um curto período, um verdadeiro golpe, uma ditadura transvestida de democracia, desapercebida pela maioria da população.

Partindo da premissa que Ditadura é um regime de concentração de poder e de decisões em uma pessoa ou grupo, sem a participação dos cidadãos, vetados de exercerem a soberania através de seus representantes eleitos, chega-se à conclusão lógica que durante o segundo Governo Lula, através do denominado Mensalão, era o que, efetivamente, ocorreu, senão vejamos: o Mensalão nada mais era do que o pagamento mensal a determinados deputados para comporem a base do governo, virando as costas para seus eleitores e votando projetos de leis em consonância, conveniência e ordem governamental.

Daí poder dizer que vivenciamos uma ditadura fantasiada de democracia, eis que os representantes do povo, pela força do vil metal, obedeciam às ordens de um determinado grupo que estava no poder naquela época.

A travestilidade democrática somente cessou graças à denúncia de um homem, Roberto Jefferson, que sublimando seu cargo de Deputado Federal, colocou a boca no trombone denunciando e desarmando todo um esquema de corrupção e compra de apoio aos interesses do Governo.

Àquela época, o homem forte, o super ministro, era José Dirceu, apontado como o chefe do esquema do Mensalão e candidato natural para disputar a presidência da República no final do Governo Lula.

Para derruir a tal quadrilha, Jefferson com sua oratória e língua afiada, mirou diretamente no chefe do esquema, José Dirceu, dizendo para ele sair imediatamente do governo para que não fizesse réu um homem que acreditava ser inocente (Lula).

Acaso Roberto Jefferson não tivesse digladiado contra tudo e contra todos, hoje viveríamos, provavelmente, outra história política e antidemocrática.

O Plano de Poder daquele malfadado grupo, que corrompia congressistas de acordo com seus interesses, teria saído vencedor.

Em vez da despreparada Dilma Rousseff, o substituto de Lula na presidência teria sido o maquiavélico e ardiloso José Dirceu, e o Brasil seria a segunda Venezuela.

Devido à hercúlea briga solitária de Roberto Jefferson, assumindo todas as consequências daquela denúncia, ressurgiu a democracia, afastando as vestes de ditadura civil. O Brasil deve um almoço a Jefferson.

Agora, quando o Presidente eleito democraticamente com mais de 57 milhões de votos é atacado por todos os lados, inclusive com ardileza dos presidentes das casas congressuais que, ao que indica, queriam seu impeachment, surge novamente, uma voz em salvaguarda da democracia, do presidente, ecoando suas denúncias no ouvido do povo, que em defesa de Jair Bolsonaro, saíram às ruas e postaram nas redes sociais, intimidando quaisquer tentativas de persecução do representante maior da nação. Essa voz, novamente, é de Roberto Jefferson.

Se o Brasil devia um almoço, agora deve também o jantar!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.