Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brasil disruptivo

O Brasil disruptivo

23/05/2017 João Paulo Vani

Desde as manifestações de 2013, o Brasil parece estar vivendo, constantemente, momentos disruptivos.

E “nós, o povo”, não conseguimos deixar de ter a sensação de viver na Matrix. Não há Frank Underwood que consiga acompanhar o que acontece no Planalto...

Os paradigmas que vêm sendo rompidos nesses últimos quatro anos fazem de nossa nação uma massa sem perspectiva, refém da oscilação econômica e instabilidade política, cujo peso maior recai sobre os trabalhadores, aqueles que mal conseguem cumprir suas obrigações ao final de cada mês.

E, se não bastasse a tristeza das dificuldades econômicas, ou a desilusão por viver em um país cujas causas sociais são meras fachadas por meio das quais a classe política manipula a massa, o brasileiro ainda precisa ouvir frases que depreciam o povo, que fazem pouco da roubalheira endêmica estabelecida, em cifras astronômicas.

Só se fala em bilhões. Nunca neste país, “nós, o povo”, tivemos voz. E agora, caso o presidente Michel Temer caia, mais uma vez, não a teremos. De acordo com a legislação vigente, e com a Carta Magna brasileira, a Constituição de 1988, se este episódio tiver força suficiente para uma renúncia ou qualquer outra forma de afastamento do mandatário da nação, em 30 dias o Congresso Nacional se reúne e escolhe, por vias indiretas, o novo Presidente da República.

Diante deste cenário, haverá alguém que poderá acreditar em perspectiva de melhora? As crises política e econômica vividas pelo Brasil não são, nem de longe, tão graves quanto a crise moral que enfrentamos.

Nosso país, possuidor de proporções continentais, de recursos naturais abundantes, de mão-de-obra em grande volume, em vez de seguir o caminho da educação, com capacitação profissional e desenvolvimento economicamente sustentável, vê seus governantes caminhando para o lado oposto: políticas assistencialistas, que fazem com que os cidadãos mais humildes acreditem que o benefício de curto prazo é melhor que o desenvolvimento a médio e longo prazos; violência com índices dignos de uma guerra civil; presença maciça em rankings como “violência doméstica” e “violência LGBT”.

Quando aparecemos em rankings que tratam de educação ou qualidade de vida, quase sempre estamos mais perto do fim da lista. E por qual motivo isso acontece? Má gestão da “coisa” pública. Após quase trinta anos sendo conduzido por uma Constituição elaborada em um momento delicado, após duas décadas de um regime político equivocado, o Brasil pede socorro: não há mais como pagar as contas.

O dinheiro, além de insuficiente, vem sendo constantemente subtraído por agentes públicos que não apenas deveriam zelar pelo dinheiro, que advém do povo, mas também, utilizar seus talentos – caso esses cargos fossem realmente técnicos, para sanar problemas.

Como muitos desses cargos são usados para fins políticos, para acomodar apadrinhados, o que se vê é gente despreparada e mal-intencionada desviando recursos e criando novos problemas.

Foi nisso que a nossa “terra boa e gostosa” se transformou. Ou foi transformada.

Para onde este grande barco, ora à deriva, poderá ir? O que será de nós?

Façam as suas apostas.

E que Deus tenha piedade de nós.

* João Paulo Vani é Presidente da Academia Brasileira de Escritores.



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.