Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brasil e a ópera bufa

O Brasil e a ópera bufa

16/09/2016 Dirceu Cardoso Gonçalves

A cena política brasileira, infelizmente, se transforma numa ópera bufa.

Durante todo o processo de impeachment, a presidente penalizada e seus seguidores denunciaram ao mundo a existência de um “golpe” e, mesmo advertidos de que ocorria apenas uma ação constitucional, não houve que os impedisse de continuar o alarde falso. Agora, o ex-presidente Lula, ao ser colocado pelos procuradores da Operação Lava Jato como chefe da quadrilha que assaltou a Petrobras, reage num longo e choroso discurso para militantes, onde se compara a Jesus Cristo, Tiradentes e Getúlio Vargas e, mais uma vez, fala em “golpe”.

A paciência nacional está esgotada com tanta pirotecnia. Independente da opinião de cada indivíduo, o que o povo quer é solução para seus problemas, pouco se importando com as razões de uns e outros dentro da cena política. Ao mesmo tempo em que uns defendem, outros pedem cadeia para o ex-presidente e todo o seu séqüito. As redes sociais “fervem” num debate que chega às raias do absurdo e sugerem o confronto.

O cidadão comum, no entanto, quer apenas a solução para a crise e oportunidade de trabalho, educação, previdência social, segurança e outros bens que lhes são devidos pela estrutura da sociedade organizada. Esse indivíduo deveria ser poupado do embate, que serve apenas para indigná-lo e adicionar pessimismo ao seu dia-a-dia.

Seria uma glória para a nação se todos os políticos fossem honestos e até que o próprio Lula e outros hoje acusados pudessem provar honestidade. No entanto, temos uma série de malfeitos revelados e entregues à apuração. Toda a população – exceto os envolvidos – espera que haja a mais severa e justa apuração e que cada um seja penalizado na medida exata de sua culpa, dolo e envolvimento. Nem mais, nem menos. O povo quer apenas isso e nem faz questão de culpar ou inocentar os envolvidos. O que todos querem é punir o crime.

O Brasil precisa da justiça, com a venda nos olhos na exata forma de sua representação na deusa Têmis, para ver e decidir apenas sobre o cometido, sem se preocupar em saber quem é e quais as relações sociais, econômicas e de poder do cometedor. E que essa ação se processe com a devida rapidez para evitar a perenidade do mal. Se Lula deve, prove-o e aplique-lhe as penas cabíveis. A ele e a todos os devedores. Se não, deixem-nos em paz. Por fim, quanto ao ex-presidente, ele precisa acautelar-se ao escolher seus paradigmas. Não esquecer que os três citados – Jesus, Tiradentes e Vargas – restaram mortos de suas contendas...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa