Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brexit é um desastre

O Brexit é um desastre

17/01/2019 Barbara Wesel (DW)

Theresa May mereceu ser derrotada no Parlamento e só pode culpar a si mesma por isso. O Brexit se tornou uma força destrutiva.

O Brexit é um desastre

Theresa May sofreu uma derrota esmagadora na votação sobre o acordo do Brexit fechado com a União Europeia (UE). A primeira-ministra britânica deveria deixar o cargo após essa derrota histórica, mas May já tentou cortar essa questão pela raiz: ela disse que assumiu o papel de premiê para implementar o Brexit e completar essa tarefa. E ponto final.

Ela deve sobreviver a um voto de desconfiança convocado pela oposição. Isso porque os conservadores vão fechar suas fileiras novamente assim que isso se tornar uma questão de permanecer no poder. Mas, para o mundo político britânico, a persistência de May – que se confunde cada vez mais com teimosia – é um desastre.

May mereceu essa derrota no Parlamento, porque só tem a si mesma a culpar. O fato de que o seu governo, o Parlamento e a política britânica em geral estejam tão divididos e presos em um impasse também é resultado da particular inabilidade política de May.

Desde o início, como chefe de governo, ela só levou em consideração os conservadores. Ela falou apenas para os membros linha-dura de suas fileiras, tentando manter o partido unido a qualquer preço. Ao fazer isso, ela falhou na construção de alianças, na sensibilização da oposição e na busca por consensos.

A sua retórica hostil contra trabalhadores da UE, por exemplo – e contra a própria Europa –, apenas aprofundou o abismo entre os campos opostos. E ela também não fez nenhum amigo entre seus colegas europeus, cujo apoio será necessário quando o Reino Unido sair do bloco e também depois disso.

Falta a May a estatura de uma estadista. Ela não tem demonstrado responsabilidade com o futuro ou com o bem-estar do Reino Unido. Como política, ela também é muito tacanha e rasa; muito rígida e pouco imaginativa para o desafio dos tempos difíceis que o Brexit impôs.

Os britânicos teriam que ter contado com outro governante, mas o líder a oposição, Jeremy Corbyn, não é considerado adequado nem mesmo por colegas de partido. Até agora não apareceu ninguém que possa assumir esse papel. Parece que o bom senso, o comprometimento e a visão histórica sobre o papel internacional e as possibilidades para o país desaparecem por completo da política britânica de um dia para o outro.

Mas o verdadeiro pesadelo é que a disputa envolvendo o Brexit está longe de acabar. As instituições políticas britânicas demonstraram que não estão à altura dos desafios. O governo está dividido e falhando. E até o momento o Parlamento só conseguiu decidir contra propostas apresentadas, permanecendo incapaz de encontrar uma saída para a crise.

A Câmara dos Comuns é a única chance de o Reino Unido escapar do show de horrores do Brexit. Os membros do Parlamento vão ter que formar uma maioria que transcenda as fronteiras partidárias. Isso pode significar um Brexit mais suave, com uma permanência no mercado comum. Ou até mesmo um segundo referendo, quando a liderança do Partido Trabalhista finalmente se afastar das suas ilusões socialistas.

Nenhuma dessas soluções será fácil de alcançar ou garantirá uma saída satisfatória. Mas isso tudo demonstra o poder inédito de destruição do Brexit, que no fim das contas não está destruindo a UE como se imaginava, mas sim dividindo o próprio Reino Unido. O Brexit é provavelmente o maior desastre do país. 



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.