Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O calouro

O calouro

02/09/2008 Divulgação

Fiquei até sem graça por tanta felicidade. Ver meu nome ali, em meio a uma tonelada de outros. Como resistir? Soltei uma gargalhada forte. Emudeci. Estava sensível, quase a ponto de abrir o berreiro, chorar. O nome escrito na lista de aprovados da USP, eis o motivo. Cena tradicional. E eu que era avesso ao tradicionalismo. A coordenação pedagógica pegou o jornal, recortou a página na qual consta a lista e o afixou no mural. Ali, no ponto bem estratégico, que fica entre a secretaria e o corredor que dá acesso às salas de aula. Impossível não notar alegria irresistível que me enlaçou.

A consciência, contudo, zomba de mim. Eu que sempre tirara sarro desse clichê vestibulóide. Nada me dava mais nos nervos ao ver colegas com cara de bobo alegre estampada nos outdoors, panfletos, e cartazes. Garotos propaganda do colégio. Sei que ao passar na prova, todo ser de carne e osso sente seus esforços reconhecidos e só por isso já vale comemorar. Mas daí estar lá na propaganda... As caras pintadas, poses estereotipadas nas fotos de candidatos aprovados que aparecem na mídia, sei lá, me soam desnecessárias. Parece afugentar a originalidade da cena. Uma hora que é inesquecível passa a ser algo presumível.

Vai ver sou radical. Talvez esta implicância com a propaganda seja sem sentido. Talvez eu me sinta culpado de fazer parte da elite que tem acesso à excelente faculdade de engenharia do país e veja que a grana de meus pais é que facilitou esta certeza de aprovação. Como poderia ser diferente? Estudo desde pequeno nos melhores colégios, segundo a mídia.

Até a oitava série eu adorava meu colégio. Gostava da turma, dos professores. No colegial é que as idéias embaraçaram. Talvez fruto das aulas de filosofia, história. Minha mãe pejorativamente fala crise da aborrescência. Tá, ela só usava este termo quando eu enchia a paciência.

Agora eu aqui. Curtindo. Pulando. A Valéria me lascou um beijo na boca. Eu que fiquei azarando esta gata durante dois anos, e de repente ela, tímida como uma virgem do século 19, vem e me acerta um beijo. Se a Valéria, tão estudiosa, tão centrada, tão casa-escola-casa, tão anti-ficar, se transformou quando viu o nome dela nos aprovados em Psicologia da USP, por que eu não posso. “Vamos tomar um sorvete, para comemorar”, eu disse quase receoso de levar um você não se enxerga. “Que sorvete que nada, eu quero mamar um chopinho, eu mereço”, respondeu a ex-anti-social. Fomos todos, a galera da escola, para o Pingüim. Uma forma de dizer adeus para nossa Ribeirão Preto. Em março a gente migra para a capital paulista.

Que contradição.  Sinto alegria com as tintas que estão no meu rosto. A cabeça raspada e o sorriso de satisfação me fazem uma cópia perfeita das caras nos folhetos, outdoors. Viva a satisfação da vitória, e caíamos na gandaia. Afinal, os rituais de passagem da classe média estão aí para serem usados.

E a visão crítica? Quem sabe eu entro no D.A, e faça meu melhor como líder estudantil. O que importa é fazer o possível para ser bem sucedido nos estudos e tornar-me um profissional ético. Se a sociedade, através dos seus impostos, mantém a USP é porque a USP deve fornecer as mentes elementares para uma sociedade mais digna, justa e competente.

*Escritor, autor do livro SONHAR É BOM, VIVER É MUITO MELHOR, disponível em versão e-book no site www.ronaldoduran.com Contatos com o autor por e-mail [email protected]



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.