Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O caso Flávio Bolsonaro

O caso Flávio Bolsonaro

24/01/2019 Bady Curi Neto

Movimentação atípica só se torna crime se a origem do dinheiro for ilícita.

O caso Flávio Bolsonaro

Instado por alguns amigos de esquerda (sim, tenho amigos de esquerda, escolho-os pelo caráter e não pela ideologia política ou preferência partidária) sobre a movimentação bancária, que segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) se traduz em movimentação atípica do candidato eleito ao Senado, Flávio Bolsonaro, a reclamação ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF) e o grau da repercussão e comprometimento ao Presidente Jair Bolsonaro, venho fazê-lo, de público:

Inicialmente, tem-se que a movimentação bancária atípica não é sinônimo de corrupção, lavagem de dinheiro ou quaisquer outros tipos descritos em nosso Código Penal. O Coaf considera movimentação atípica quando alguém faz depósito ou saque bancário em valores fracionados inferiores a R$ 30 mil, e, por ser atípica, por obvio, deve ser apurado e esclarecido pelo correntista da conta bancária. Movimentação atípica só se torna crime se a origem do dinheiro for ilícita.

Por ser Flávio Bolsonaro, homem público e filho do atual presidente da República, o caso tomou proporções em toda a imprensa e nas redes sociais, que aguardam um esclarecimento final para colocar uma pá de cal sobre o assunto ou se houver indícios fortes de uma possível conduta criminosa que seja apurado e processado com o rigor que a lei exige, respeitando o direito à ampla defesa e do contraditório.O fato de o Senador ter batido nas portas da Suprema Corte, com uma reclamação, em nada macula sua imagem. Ele está exercendo o seu lídimo direito de se defender.

O ex-presidente Lula, que responde a vários processos criminais, condenado em um deles na primeira e na segunda instância da Justiça Federal há mais de doze anos de prisão, interpôs dezenas de recursos e habeas corpus, alguns, a meu sentir, sem nenhum fundamento, e disto ninguém reclama, exatamente por estar exercendo seu direito de defesa.

Pergunta-se: Por que a Reclamação ajuizada no STF por Flávio Bolsonaro possa ser interpretada como receio da investigação? Responde-se: Pelo contrassenso e incoerência de alguns esquerdopatas. O exercício regular do direito de defesa não pode ser exposto como confissão de culpa, senão estaríamos diante de um Estado ditatorial, é curial.

E não chego ao absurdo de questionar, como em algumas postagens nas redes sociais, porque o Coaf não identificou a movimentação de milhões de reais, suspeitas, nas contas do Lulinha, da Erenice Guerra, do Palocci, entre outros ligados aos governos Petistas? Ora, se não o fez, deveria ter feito. Um erro não justifica o outro, ressalvando o dito no início do artigo, movimentação atípica não é sinônimo de ilícito.

A repercussão do caso é evidente, caso contrário não estaria nas mídias sociais e na imprensa, porém não vejo que isto comprometa a imagem do governo. O caso envolve o filho do Presidente e não a pessoa do Presidente.

Está-se no início da apuração dos fatos não havendo nada, por enquanto, que desabone, sequer, a pessoa do Senador eleito, podendo tudo ser esclarecido e arquivado, ou, caso contrário, se houver indícios de condutas antijurídicas que o Ministério Público (MP), titular da ação penal, ofereça denúncia crime, respeitando o direito de defesa e contraditório, na qual, ao final, o Poder Judiciário decidirá a questão. Por enquanto tem-se apenas especulações midiáticas.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.