Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O diferencial da tolerância

O diferencial da tolerância

11/04/2016 João Guilherme Ometto

O acolhimento e respeito aos que buscam trabalho, segurança e dignidade é um exemplo do Brasil para o Planeta.

O diferencial da tolerância

No momento em que é grave a situação dos refugiados em todo o mundo e se divulgam problemas que estão enfrentando em alguns países, é importante enfatizar o espírito de tolerância e pluralismo da sociedade brasileira, virtude que se destaca em meio às crises intermitentes que o País tem enfrentado.

Se a política e a economia, como ocorre atualmente, assustam os investidores, a convivência pacífica e fraterna entre imigrantes e suas comunidades, unidos sob a inspiração cosmopolita da brasilidade, é um atrativo para empreendimentos e o ingresso de capitais produtivos.

Não é sem razão que parcela substantiva do parque empresarial brasileiro — e não me refiro aqui às multinacionais — tenha origem no trabalho e no esforço de imigrantes, como os meus familiares, que vieram da Itália, em 1887, para trabalhar na lavoura como colonos.

Entretanto, economia à parte, a prioridade nessa questão é de caráter humanitário, considerando a gravidade da situação relativa aos refugiados e pessoas que deixam sua pátria em busca da sobrevivência. De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), chega próximo de 70 milhões o número de pessoas em movimento pelo Planeta em busca de abrigo e/ou socorro.

É uma crise sem precedentes, com ênfase na Europa. No Brasil, conforme dados do Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), havia 7.289 pessoas nessa condição, ao final de 2014, provenientes de 81 nações, principalmente da Síria, Colômbia, Angola e República Democrática do Congo.

Bolivianos e haitianos não são refugiados em nosso país, mas sua presença é crescente. Segundo a lei brasileira, o refúgio só pode ser concedido a quem provar estar sofrendo perseguição por motivos étnicos, religiosos ou políticos.

De acordo com o Consulado da Bolívia, estima-se que mais de 350 mil bolivianos vivam na cidade de São Paulo e apenas 100 mil tenham documentação. Números são incertos, mas se calcula que sejam cerca de 500 mil imigrantes do país vizinho no Brasil. Cerca de 56 mil haitianos já vivem aqui.

Em razão dos problemas provocados pelo furacão de 2010, nosso governo concede-lhes visto diferenciado. Precisamos continuar sendo uma referência de solidariedade e tolerância para um mundo onde milhões de pessoas têm sofrido muito pela perseguição político-religiosa, cataclismos e miséria.

O Papa Francisco, por ocasião do Dia Mundial do Refugiado (20 de junho), observou: “Faço votos de que a comunidade internacional atue para prevenir as causas das migrações forçadas. Convido todos a pedir perdão pelas pessoas e as instituições que fecham a porta a esta gente que busca uma família e proteção”.

Na mensagem de 2014, ele já alertava: “Os migrantes e refugiados não são peões no tabuleiro de xadrez da humanidade. Trata-se de crianças, mulheres e homens que deixam ou são forçados a abandonar suas casas, que compartilham o mesmo desejo legítimo de conhecer, de ter, mas, acima de tudo, de ser mais”.

No Sínodo 2015, embora o tema tenha sido a família, Francisco salientou a importância de se respeitarem diferenças: “O que é considerado violação de um direito em uma sociedade pode ser preceito óbvio e intangível de outra. Na realidade, as culturas são muito distintas entre si, e todo princípio geral precisa ser observado".

Pois bem, não há povo que tem sabido conviver tanto com as diferenças como o brasileiro. Esta virtude — expressa na Nova Lei da Migração, aprovada no Senado e em tramitação na Câmara dos Deputados, sendo objeto de uma Comissão Especial — precisa ser reforçada.

Devemos nos blindar ante alguns casos que vêm ocorrendo em outros países, de modo a não nos deixar contaminar pelo preconceito, a intolerância e a discriminação. O acolhimento e respeito aos que buscam trabalho, segurança e dignidade é um exemplo do Brasil para o Planeta.

Porém, para cumprirmos com eficácia tal missão humanitária, precisamos mitigar a criminalidade e a violência, pois estas, por mais irônico que pareça, não diferenciam as pessoas por sua etnia, cidadania, religião, ideologia e gênero. São males que a todos atingem, de maneira cruel e indiscriminada.

* João Guilherme Ometto é engenheiro, vice-presidente do Conselho de Administração do Grupo São Martinho, vice-presidente da FIESP e coordenador do Comitê de Mudança do Clima da entidade.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.