Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O dinheiro é do povo…

O dinheiro é do povo…

03/12/2008 Dirceu Cardoso Gonçalves

O brasileiro assiste, escandalizado, ao mar de lama da corrupção vindo da denúncia de golpes envolvendo marketeiros, gente do governo, parlamentares e instituições tidas como sérias.

O noticiário é pródigo ao informar a habitualidade do superfaturamento de compras e serviços adquiridos com o dinheiro público, o trabalho contratado e não executado ou desviado de sua destinação original, entre muitas outras safadezas. A oposição acusa o intocável governo de descalabro e os cândidos governistas asseguram que sempre foi assim e a diferença é que agora o governo “manda apurar com todo rigor”. Seja de uma forma ou da outra, isso tem de mudar. É revoltante saber que os bandos, valendo-se de projetos fraudulentos, roubam descaradamente o dinheiro que deveria ser aplicando em educação, saúde, moradia e tantas outras necessidades do povo. Mas só revolta não basta. Precisamos buscar sinceramente formas eficazes de garantir que o governo cumpra suas finalidades e as torneiras da corrupção sejam fechadas.

O poder público tem o dever de assumir inteiramente suas funções em vez de delegá-las a ONGs e outras arapucas muitas vezes montadas pela cupinchada palaciana ou sob sua influência. E, sempre que encontrar algum ato de corrupção ou desvio de finalidade, punir rigorosamente os autores, por mais privilegiados e influentes que sejam. Os órgãos governamentais dispõem de instrumentos capazes de levá-los a adquirir bens e serviços pelos menores preços de mercado. É para isso que existem as concorrências, os pregões eletrônicos e as licitações públicas. Todo certame que não preencher criteriosamente os requisitos de conveniência da repartição compradora, não pode ser homologado, sob pena de gerar punição aos executores. Bastaria um aperto e a diminuição das interferências políticas no setor, para se alcançar o interesse público.

O dinheiro do governo, proveniente dos impostos arrecadados, tem finalidade única: custear bens e serviços à comunidade. Tudo o que estiver fora disso, é indevido e sugere corrupção. O maior ponto de interrogação está no financiamento das campanhas eleitorais. Esquemas milionários são montados para eleger desde o presidente da República até o vereador do menor município. O candidato (ou quem o financia), gasta mais na campanha do que tudo o que o eleito ganhará ao longo do mandato. De onde vem esse dinheiro? O político brasileiro estaria “pagando” para trabalhar? Ele busca alguma forma de rassarcimento quando está no mandato? São indagações que querem calar e precisam ser respondidas.

O poder público deve ser eficiente e transparente. Seu dinheiro é do povo, não pertence ao governante de plantão. Por isso tem de ser muito bem utilizado e ficar a salvo da corrupção. Faz bem a Justiça Eleitoral ao apertar as contas de campanha. Mas isso ainda é pouco: precisamos evitar que bancos e empresas estatais apliquem seus recursos em patrocínio de esportes profissionais e em outras ações diferentes de suas finalidades e depois sejam obrigadas a fazer empréstimos para manter os serviços. O patrocínio e os “apoios” bilionários, se não devidamente justificados e transparentes, podem abrir as portas da corrupção. Isto tem de acabar, para o bem do Brasil e a honorabilidade do governo...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – diretor da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.