Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

06/12/2021 João Sarmento

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.

Neste último contexto em específico, o mobile gaming ganhou um protagonismo nunca antes visto.

Afinal, em tempos difíceis como os períodos mais restritivos desta pandemia, em que nos vimos obrigados a estar mais reclusos do que nunca, divertir-se jogando foi uma das formas encontradas por muitas pessoas para aliviar o estresse e manter a mente sã.

Para se ter uma ideia do tamanho da abrangência dos jogos online nesses quase dois anos em casa, dos aplicativos utilizados no primeiro trimestre de 2021, 45% representam a categoria de games.

Além disso, 36% dos gamers (e aqui falamos de todo e qualquer usuário de jogos online) disseram, de acordo com a pesquisa da AdColony em conjunto com a Global Web Index, jogar mais agora do que no período pré-pandemia. Isso se tem refletido também no interesse dos anunciantes em se apropriar desse mundo.

E, acredite, existem diversas maneiras e formatos para se fazer presente em jogos eletrônicos: a marca como parte do cenário ou da história do próprio game, anúncios entre pausas ou carregamento do jogo e, claro, um dos formatos mais populares atualmente na publicidade digital, o rewarded video – que nada mais é do que um anúncio que, ao ser visto pelo jogador, gera recompensas dentro do aplicativo.

De acordo com um estudo da Global Web Index, os vídeos iniciados pelos próprios usuários – ou seja, por vontade própria – recebem a propaganda de maneira positiva, correspondendo a uma porcentagem de 70% dos respondentes da pesquisa ante 30% para formatos de vídeo pre-roll.

E faz sentido quando nos colocamos na posição desses usuários. Quantas vezes estamos superinteressados em um conteúdo e, quase do nada, vem uma propaganda?

Às vezes, até mais do que uma seguida da outra. No caso do mundo game, no rewarded é oferecido ao usuário algo em troca de sua atenção.

E você pode até pensar que as pessoas só assistem aos rewarded vídeos por causa da recompensa final, mas o ecossistema já está também trabalhando com formas mais justas de cobrar as marcas.

Um exemplo é o CPCV (Cost Per Completed View, em português: custo por visualização completa). Assim, se o usuário não assistir ao anúncio até o fim, a marca não paga pelo view.

Para equilibrar a balança, isso exige que as empresas especializadas tenham algoritmos mais “parrudos”, que entreguem a mídia de forma relevante, com foco no comportamento dos usuários, e possuam dados determinísticos, demográficos e comportamentais.

Esse tipo de usuário – ou melhor dizendo, Device ID – tende a reagir a vídeos publicitários de determinados segmentos, criando assim clusters riquíssimos e com entrega de resultados superiores ao modelo mais “antigo” de vídeo.

E, dentro desse cenário, você sabe exatamente quem é o público mobile gamer? Pode até ser surpreendente, porque passa longe do estereótipo dos jogadores adolescentes/crianças.

De acordo com dados levantados pela pesquisa da Global Web Index, 75,2% dos brasileiros adultos estão jogando games mobile.

E tem mais: a maioria tem idade na faixa de 25-44 anos, com uma divisão de gênero de 51,9% mulheres e 48,1% homens.

* João Sarmento é Business Development manager na Adsmovil.

Para mais informações sobre jogos online clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: RPMA Comunicação



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.